Torça para o presidente da sua empresa comprar um Audi A8 L – l de limusine, ou de longo, que é mais fácil de falar. Ele nunca mais chegará ao trabalho de mau humor. Motivos: o carro dele terá bancos com inúmeros tipos e intensidades de massagem, além de três níveis de aquecimento e resfriamento; internet a bordo, som da premiada marca Bang & Olufsen com 19 alto falantes, motor W12 de 6.3 litros e 500 cv, suspensão a ar, câmeras ao redor do carro que podem antecipar acidentes, visão noturna, navegação por GPS embutido e revestimento do teto em Alcântara, só para encurtar a conversa. E o melhor em ele ter um A8 L, é que há grandes chances de você, diretor, ter o novo A6.

O L em questão se justifica pelos 13 cm a mais de entreeixos, que eleva o comprimento total para 3,12 – quase o tamanho de um Fiat Mille, só de um eixo ao outro. À primeira vista, o espaço extra pode não aparentar muita diferença, mas o ganho significa mais folga para usar o laptop ou manter a TV no encosto do banco dianteiro distante dos olhos.

Seu presidente só terá uma dúvida todas as manhãs: usar ou não o chofer. Ao volante, ele guiará um carro suave, quase flutuante, mas firme ao mesmo tempo. Nas arrancadas, o motor 4.2 V8 de 372 cv ignora as dimensões e o peso do sedã (1.885 kg). O ajuste do A8, obviamente, prioriza o conforto, mas ainda assim o gigantesco sedã mantém o DNA de esportividade característico da marca. Mas, se ele preferir usar o banco traseiro, poderá ir quase deitado, devido aos ajustes individuais. E na volta para casa depois de um dia árduo de trabalho, para aliviar as pressões inerentes ao seu cargo, vai relaxar com as massagens do banco. Sim, até os bancos traseiros contam com o recurso – que, estranhamente, não estão presentes em todas as configurações do A8 L. Esse é o uso adequado do carro: dirigi-lo na ida ao trabalho, e desfruta-lo, atrás, na volta. Nos finais de semana? Dê folga ao chofer.

Mas atenção: o A8 L que vem para o Brasil – desembarcando nos próximos meses por preço estimado entre R$ 600.000 e R$ 700.000 – não é o V8 que guiamos na Alemanha, mas sim o W12, não disponível no momento. Portanto, impressões da tocada do W12, só quando a Audi apresenta-lo por aqui.

A6

O fato de o A6 não ter bancos massageadores e mais do que um Smart Fortwo de entreeixos não quer dizer que ele não seja igualmente confortável. Pelo contrário. Rapidamente o motorista encontra a posição perfeita de guiar, graças aos ajustes elétricos de bancos e direção. Dela, além de dirigir o carro, você comanda rádio, computador de bordo e telefone. No console central, uma série de botões, de apertar, girar, puxar...Mas tudo relativamente intuitivo de mexer. Elogiável também a ergonomia, apesar da quantidade de comandos e do bom espaço interno.

Ao volante, o A6 é ligeiramente mais cativante que o já rápido A8 L, por conta do menor peso (1.740 contra 1.885 kg) e o menor comprimento (4,92 m ante 5,27 m). No trânsito urbano, ele tem desenvoltura e agilidade. Mas é na estrada que ele dá show. Numa das Autobahns, a que liga Ingolstadt a Munique, rodamos cerca de 200 km. Nesse percurso, o A6 impressionou pelos altos níveis de suavidade, silêncio a bordo e sensação de segurança transmitidos aos ocupantes. Sem limites de velocidade tolhendo os talentos do motor 3.0 V6 turbo, de 300 cv e 44,9 kgfm de torque, chegamos à velocidade máxima (limitada) do carro, de 250 km/h, como se estivéssemos a 120 km/h num Corolla. E o motor ainda girava com certa folga, graças ao exemplar trabalho da transmissão S-Tronic, de sete velocidades. Ou seja, um trajeto de 200 km foi percorrido em mais ou menos uma hora. Nas curvas, bastava apenas tangenciá-las, sem tirar o pé do acelerador, e deixar que a tração quattro fizesse o resto. Se estivéssemos na Alemanha, aí sim, você dispensaria o chofer com certeza.

A quarta geração do A6 e a terceira do A8 serão os próximos lançamentos da Audi em 2011, que ainda terá A1 e A7 Sportback, para citar os principais. Assim como o sedã maior, o A6 ainda não tem preço definido (ou revelado) para o Brasil. O modelo atual sai por R$ 272.700, dotado de motor 3.0 aspirado, de 290 cv. Seus principais concorrentes serão os recentemente atualizados BMW Série 5 (R$ 288.000) e Mercedes-Benz Classe E (R$ 274.000).

 

Rodrigo Mora

|