Não é apenas por terem levado o Cruze do Brasil para lá que os argentinos saíram em vantagem em relação ao consumidor brasileiro. A Chevrolet decidiu dar mais um privilégio para nossos hermanos: eles terão o novo sedã com exclusividade por seis meses antes que o carro chegue aqui.

A nova geração do Cruze já está sendo fabricada em Rosário, na Argentina, e será apresentada oficialmente na próxima terça-feira (3) no que a montadora chama de “o dia mais importante da história da Chevrolet na América do Sul”.

O modelo será lançado lá em seguida, mas só deverá chegar ao mercado brasileiro, o de maior volume de vendas, no final do ano, na época do Salão do Automóvel.

 
 
Chevrolet Cruze 2016
 
Chevrolet Cruze 2016
Chevrolet Cruze 2016
Chevrolet Cruze 2016
 
Chevrolet Cruze 2016
Chevrolet Cruze 2016
Chevrolet Cruze 2016
 
Chevrolet Cruze 2016
Chevrolet Cruze 2016
Chevrolet Cruze 2016
 
Chevrolet Cruze 2016
Chevrolet Cruze 2016
Chevrolet Cruze 2016
 
Chevrolet Cruze 2016
Chevrolet Cruze 2016
 
 

Projeto Fênix

Uma coisa é certa: nunca a unidade argentina da GM teve nas mãos um produto tão moderno. Para produzi-lo, foram investidos cerca de 750 milhões de dólares no chamado “projeto Fênix”, o que inclui também uma linha de montagem para o novo motor 1.4 litro turbo Ecotec, com injeção direta de combustível e que no Brasil será flex. Ele terá cerca de 150 cv de potência e promete, enfim, economia de combustível, coisa que o atual 1.8 aspirado deixa um pouco a desejar.

Na Argentina, o Cruze terá uma versão top de linha chamada de LTZ Plus, mas o sedã será vendido também com câmbio manual – além da versão automática com seis marchas.

Enquanto isso, o Cruze atual segue sendo produzido (por algum tempo) e vendido no Brasil – com um certo ar de inveja dos vizinhos.

Veja também: Chevrolet Cruze chega à 2ª geração

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |