Em algumas culturas o número 8 é uma referência ao “infinito”. Para a Audi, esse número também tem um significado importante e refere-se ao que a marca alemã tem de melhor e sua materialização é o sedã A8, um dos carros mais luxuosos do mundo.

Atualmente na terceira geração e já com dois facelifts nessa fase, o A8 atual, apesar do design discreto, é um carro que impressiona pelo tamanho. O modelo é uma “barca” com 5,13 metros de comprimento e quase 2 metros de largura, além dos 3 metros de distância entre-eixos, medidas que garantem um espaço interno enorme, sobretudo na parte traseira, onde costuma se acomodar o dono desse carro. Dirigi-lo é uma função incubida muitas vezes a motoristas profissionais. Portanto, vamos para o banco traseiro.

Viajar na parte traseira do A8 é uma experiência extremamente confortável. O encosto de braço central possui porta-copos e porta-trecos, comandos elétricos para ajuste do banco e controles individuais de ar-condicionado, além de comandos que ativam o aquecimento e ventilação nos bancos. Há ainda cortinas elétricas nas janelas e no vidro traseiro, itens que elevam ainda mais o nível de conforto a bordo, especialmente para tirar uma soneca. Quer mais? Ok, o sedã mais luxuoso da Audi também possui massageadores nos assentos.

A lista de mimos dignos de classe executiva ainda pode conter central multimídia Bose ou Bang & Olufsen (opcional que custa mais de R$ 30 mil, ou seja, o preço de um carro popular) e telas de LCD nas costas dos bancos dianteiros, onde é possível assistir televisão ou filmes em DVD. As entradas auxiliares presentes no carro permitem conectar diversos artigos eletrônicos no carro, desde um celular a vídeo-games. Com tantos recursos no banco traseiro quem vai querer dirigir esse carro?

Motorista nas estrelas

Entre o bico do veículo e a posição onde vai o motorista há uma distância de quase 3 metros de comprimento, por isso para dirigir o A8 é preciso ter uma excelente noção de espaço. É como guiar um SUV de grande porte, porém, mais próximo ao solo e com um campo visual menor. O carro é tão grande que a Audi instalou oito câmeras de vídeo ao redor da carroceria para facilitar manobras mais “apertadas”. Uma das mais interessantes é a câmera direcionada para o chão, que ajuda o motorista a estacionar sem raspar as rodas (aro 19”) na guia, o que seria um pecado e também um grande prejuízo.

O condutor do A8 ainda tem recursos de última geração para ajudar na condução, como sistema de visão noturna e controle de velocidade de cruzeiro adaptativo (ACC). Mas o que mais vai animar o motorista desse veículo é o conjunto mecânico composto pelo “motorzão” 4.0 V8 TFSI (turbo com injeção direta de gasolina) de 435 cv associado ao câmbio semi-automático de 8 marchas e dupla embreagem com tração nas quatro rodas (quattro).

Toda essa cavalaria faz o A8, que é grande e pesado (1.800 kg), parecer pequeno e leve, por isso se comporta com uma desenvoltura impressionante. Segundo a Audi, o modelo nessa configuração vai do 0 aos 100 km/h em 6,5 segundos e atinge até 250 km/h de velocidade máxima, desempenho comparável ao de modelos menores e mais leves da Audi, como os sedãs A4 e A6.

E o veículo cumpre essas tarefas em silêncio, por conta do trabalho preciso no revestimento acústico, e com tal estabilidade que parece até andar sobre trilhos aconchoados graças ao sistema de suspensão adaptável e a tração integral. No entanto, as cidades brasileiras não são compátiveis com o A8, que sofre ao enfrentar lombadas e valetas.

 
 
Audi A8 4.0 TFSI Audi A8 4.0 TFSI
O modelo tem preço inicial de R$ 558.990. Vai encarar? O modelo tem preço inicial de R$ 558.990. Vai encarar?
Os faróis são do tipo Full LED, uma tecnologia já a frente do xenônio Os faróis são do tipo Full LED, uma tecnologia já a frente do xenônio
O sedã tem 5,13 metros de comprimento O sedã tem 5,13 metros de comprimento
O design do A8 é até discreto O design do A8 é até discreto
O modelo vem com rodas aro 19 O modelo vem com rodas aro 19
O porta-malas comporta 540 litros O porta-malas comporta 540 litros
O motor 4.0 V8 turbo gera 435 cv O motor 4.0 V8 turbo gera 435 cv
O banco traseiro é o grande destaque do A8, com espaço e recursos de sobra O banco traseiro é o grande destaque do A8, com espaço e recursos de sobra
O painel parece uma cabine de avião, com telas digitais e inúmeras funções O painel parece uma cabine de avião, com telas digitais e inúmeras funções
A direção tem assistência eletro-mecânica A direção tem assistência eletro-mecânica
Para facilitar manobras em espaços pequenos, o A8 possui diversas câmeras pela carroceria Para facilitar manobras em espaços pequenos, o A8 possui diversas câmeras pela carroceria
Não falta botão para apertar no A8 Não falta botão para apertar no A8
 
 

Opinião de chefe

Com uma vida atribulada, diretores de grandes empresas precisam de todo tempo possível para trabalhar. Quando estão fora do escritório, o carro se torna uma segunda “base de operações”, onde funções são delegadas, reuniões de emergência são realizadas, documentos são analisados e assinados e quando sobra algum tempo há espaço para sonecas provideciais. O AUTOO foi conversar com um presidente de uma grande empresa da área de seguros, que experimentou o A8 por um dia de trabalho e deu seus “pitacos” sobre o sedã de luxo da Audi (por segurança. seu nome foi omitido do artigo).

“Costumo ficar em média 3 horas dentro do carro por dia, entre o trajeto de minha casa e o trabalho e translados para reuniões ou até o aeroporto”, contou ao AUTOO o executivo, que não tem tempo para digirir, função delegada a seu motorista profissional. “O conforto a bordo do A8 é surpreendente e o modelo tem presença por onde passa e principalmente onde para. Gostei do banco com massagem e as janelas com cortinas. No entanto, eu e meu motorista nos sentimos mais seguros em SUVs, devido a maior visibilidade que a carroceria mais alta proporciona”, explica nosso interlocutor, que utiliza um Hyundai Santa Fe no seu cotidiano. 

Segundo ele, um sedã como o A8 seria um carro ideal para esse tipo de função, mas o alto valor cobrado no Brasil acaba impedindo que ele seja considerado em uma aquisição. Situação diferente no exterior onde o A8 é bem mais acessível para empresa - na Alemanha ele sai por 77,6 mil euros, algo como 265 mil reais ou menos da metade do preço no Brasil. 

Fechando a conta

O Brasil não é um dos mercados mais adequados para o suntuoso A8, mas mesmo assim ele está presente. Sem expectativa de alcançar grandes volumes de vendas (vende-se menos de 20 unidades por ano no País), o modelo serve como uma vitrine para a marca mostrar tudo o que possui de mais moderno e luxuoso e assim atraí a atenção para seus outros produtos.

Com preço inicial de R$ 558.990 (podendo passar de R$ 600 mil de acordo com o nível de acabamento e itens opcionais), o A8 no mercado nacional é uma escolha excêntrica por conta de seu valor exorbitante e suas características que não condizem com as ruas e estradas brasileiras. Nesse cenário, o infinito da Audi acaba um tanto limitado no Brasil.

Thiago Vinholes |