Depois de colocar à venda o primeiro BMW com preço abaixo de R$ 100 mil, a marca alemã agora lança mais uma versão “acessível” de sua linha. É o sedã 320i versão que já era vendida, mas que custa R$ 130 900.

Para torná-la mais em conta, a BMW retirou alguns equipamentos como sensor de estacionamento, faróis de xenônio e teto solar elétrico. Com isso o 320i passou a custar R$ 109 500, o segundo carro mais barato do portfólio – o primeiro é o já citado 118i por R$ 95 mil.

Motor e câmbio, além de itens de segurança, são os mesmos de antes. O 2.0 litros rende 156 cv e permite ao sedã acelerar de 0 a 100 km/h em 10,5 segundos – a máxima é de 204 km/h.

A redução de preço colocou o Série 3 na mesma faixa onde atuam sedãs de marcas francesas e japonesas, bons carros, mas menos desejados que os alemães. Um exemplo é o C5, da Citroën, que tem preço de R$ 103 500. É sinal que a mística que existe no Brasil que prega que marcas como Mercedes-Benz e Audi são inacessíveis e fazem parte de outro país. A BMW, pelo jeito, não concorda.

Ricardo Meier

Ricardo Meier |