Depois de trazer a Citroën para o Brasil e representar a Jaguar, o Grupo SHC inicia a comercialização dos modelos da Aston Marin no Brasil. O mais barato deles, V8 Vantage, sai por R$ 600.000. A gama vai subindo de preço com o V8 Vantage Roadster (R$ 670.000), Rapide (R$ 900.000), DB9 Coupe (R$ 900.000), DB9 Volante (R$ 970.000) e DBS (R$ 1.250.000).

Quanto a um possível confronto entre as conterrâneas Jaguar e Aston Martin, Sergio Habib acredita que as duas têm públicos diferentes, que se encontram em poucas situações. “Quem compra um Aston Martin provavelmente já tem um Jaguar na coleção. Os carros da Aston Martin são uma aspiração ainda maior”, explica Habib, agora conhecedor dos dois consumidores. Já em relação a outras marcas que atuam na mesma faixa de preço, o empresário acredita não haver concorrência. “O Aston Martin é o único carro que você pode ter, desde que tenha dinheiro e goste de automóveis, aos 20 ou aos 80 anos. Uma pessoa de 20 jamais terá um Bentley, e uma de 80 tampouco vai querer uma Ferrari”, define o representante oficial da marca.

Os futuros compradores terão que esperar de 70 a 90 dias para ter o seu Aston Martin na garagem, dependendo da configuração que tenham escolhido. Quem se contentar com o que há no estoque, composto por modelos na cor prata ou preta e com interior mais conservador, poderá levar o carro em pouco menos de um mês. A garantia é de três anos e há apenas uma revisão por ano, sem limite de quilometragem, já que “o dono de um Aston Martin não roda mais do que 5.000 km em um ano”, revela Habib, que estima uma desvalorização de 15% no primeiro ano e depois de 10% ao ano.

Durante o lançamento oficial da marca no Brasil, o presidente da Aston Martin para as Américas, Julian Jenkins, este no Brasil e disse que “a chegada da Aston Martin ao Brasil é uma prova inconteste da importância que o mercado automobilístico brasileiro conquistou ao se tornar, conforme previsão para 2010, o quarto maior mercado do mundo, atrás apenas de China, Estados Unidos e Japão”. Jenkins não deve ter se arrependido do investimento no Brasil: funcionando há menos de um mês, a loja da Aston Martin (na Rua Colômbia, no bairro paulistano dos Jardins) já vendeu dez unidades, e fez com que a previsão de vendas, antes estimada em 40 carros ao ano, fosse revista para 60 ou 80 exemplares já a partir do ano que vem. 

Espera-se que o carro mais vendido seja o V8 Vantage. Sob seu capô, há um motor de 4.7 litros V8, de 420 cv. No Rapide, o bloco é um 6.0 V12 (470 cv), enquanto a linha DBS conta com um propulsor também V12 de 6 litros, porém com 510 cv. Segundo Habib, os pagamentos são feitos à vista.

Rodrigo Mora

|