O A3 está de volta ao Brasil. Antes que vocês se animem em imaginar o Audi A3 nacional rodando pelo país, estamos falando de outro A3. É o Chery A3, modelo de porte médio chinês que teve sua produção confirmada pela comitiva do presidente Lula que visita a China.

Os planos da Chery, a marca chinesa mais conhecida no mundo, já são antigos em relação ao Brasil, mas somente agora a empresa começa a dar os passos definitivos para sua entrada em nosso mercado. O primeiro deles, inclusive, ocorre em julho, com o início das vendas do jipinho Tiggo, montado no Uruguai e que deve chegar ao país com preço em torno de R$ 50 000.

Durante o Salão de Xangai, ocorrido no mês passado, a direção da Chery no Brasil já havia anunciado que lançará outros dois modelos este ano, o pequeno QQ e o Face, uma espécie de microvan. Mas também deixou claro que virá para ficar ao revelar a intenção de construir uma fábrica em nosso território.

Com o anúncio oficial do governo brasileiro e com a escolha do modelo a ser fabricado, a estratégia da Chery ficou mais clara e deve efetivamente incomodar as marcas tradicionais presentes no Brasil.

Nova geração chinesa

O A3 terá versões hatch e sedã e foge dos padrões conhecidos dos modelos chineses. O acabamento é superior, o pacote de equipamentos é generoso e o visual tem personalidade própria, ao contrário de outros carros, copiados sem nenhum pudor pelos chineses.

O modelo, inclusive, é novidade na China, aonde chegou há poucos meses. Suas dimensões são superiores às do Vectra GT, por exemplo, embora o entre eixos seja menor e o peso, maior.

Na China, o carro pode ser equipado com três motores diferentes – 1.6, 1.8 e 2.0 litros – e há opção de câmbio manual e CVT. A suspensão traseira, um indício de qualidade, é do tipo multi-link, coisa rara nos modelos que rodam no Brasil.

O carro vem com freios com ABS de série, CD player com USB e diversas opções, dependendo da versão, Há desde ar-condicionado digital a controle de tração, sensor de estacionamento e direção elétrica.

A previsão é que a Chery comece a produzir o A3 – o nome mudará até lá – em 2012 e a expectativa é vender cerca de 10 000 unidades por mês, muito mais do que vendo hoje o Civic, o médio mais popular do Brasil. O mistério é saber se o custo de produção aqui não tirará a vantagem que os carros fabricados na China possuem graças à mão de obra extremamente barata.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/