Não se pode acusar a montadora Chery de não tentar fincar os pés no Brasil. A marca chinesa, que chegou ao país em 2009, fez uma primeira investida em modelos mais caros trazidos da matriz como o SUV Tiggo e o hatch e sedã médio Cielo. Depois resolveu importar alguns compactos como o Face, S18 e o minúsculo QQ, mas pouco tempo depois encerrou a venda da maior parte do portfólio.

A estratégia havia mudado em favor de uma fábrica no Brasil para tentar agradar o gosto dos brasileiros. Para isso optou por produzir na unidade instalada na cidade de Jacareí o Celer, um hatch e sedã compacto mais novo e com adaptações para melhorar a qualidade.

Mas veio o Inovar Auto, que tornou seus carros caros, e depois a crise econômica, que jogou as vendas no chão. Resultado: o nacional Celer vendeu menos que muito modelo importado, não será mais vendido e a fábrica parou de funcionar em maio. Agora, no Salão do Automóvel, a Chery promete uma ‘terceira onda’. Com novos produtos e uma parceria fundamental em negociação, os chineses acreditam que enfim a marca vingará até uma logomarca nova quer reforçar a impressão que tudo mudou.

Câmbio automático, enfim

A primeira parte da nova estratégia já está em curso. No mês que vem o jipinho Tiggo 2 começará a ser montado em Jacareí. Trata-se de um aventureiro derivado do próprio Celer, porém, com interior revisto e dono de atributos hoje desejados pelo consumidor, como suspensão elevada e visual SUV.

Ele conta com um painel de instrumentos bem mais inspirado e uma central multimídia batizada de I-Connect. A transmissão e o motor continuam manual e o 1.5 VVT, mas agora o modelo dispensa o tanquinho de gasolina para a partida.

 
 
Chery Tiggo 2 2017
 
Chery Tiggo 2 2017
Chery Tiggo 2 2017
Chery Tiggo 2 2017
 
Chery Tiggo 2 2017
Chery Tiggo 2 2017
Chery Arrizo 5 2017
 
Chery Arrizo 5 2017
Chery Arrizo 5 2017
Chery Arrizo 5 2017
 
Chery Arrizo 5 2017
Chery Arrizo 5 2017
SUV Tiggo 2 e, ao fundo, o sedã Arrizo 5: Chery muda tudo para tentar emplacar mais uma vez
 
SUV Tiggo 2 e, ao fundo, o sedã Arrizo 5: Chery muda tudo para tentar emplacar mais uma vez
SUV Tiggo 2 e, ao fundo, o sedã Arrizo 5: Chery muda tudo para tentar emplacar mais uma vez
Chery Arrizo 7 2017
 
Chery Arrizo 7 2017
Chery Arrizo 7 2017
Chery Arrizo 7 2017
 
Chery Arrizo 7 2017
Chery Arrizo 7 2017
 
 

O Tiggo 2 chega às lojas da marca ainda no primeiro trimestre de 2017, promete a Chery. Ao lado dele está outra novidade no estande da montadora, o sedã Arrizo 5. Ele esteve no Brasil em 2014 mas ainda como conceito. É um sedã médio de entrada com design bastante atraente e interior ainda mais surpreendente.

Assim como o Tiggo 2, o Arrizo revela uma evolução nítida no cockpit, com recursos mais modernos, materiais mais agradáveis, embora ainda escorregando em alguns detalhes mais simples. Mas a maior sacada do Arrizo 5 está no console: é a transmissão CVT de sete velocidades, uma espécie de credencial obrigatória para tornar-se um modelo considerado na lista de compras do consumidor.

A escolha do mesmo motor 1.5 de 113 cv do Tiggo 2, no entanto, mostra que os chineses ainda não entenderam que esse público busca um pouco mais de performance, sem perder o olho na economia. Mas ao menos o Arrizo 5 parece não cometer os mesmos erros do antecessor, o triste Cielo. Suas vendas devem começar no segundo semestre do ano que vem e podem vir acompanhadas de outro sedã, o Arrizo 7, um pouco maior, mas que já parece um carro velho.

Nas mãos da CAOA

Talvez a melhor notícia da Chery ainda é uma questão de bastidores afinal não foi oficializada. A marca negocia com o grupo CAOA a abertura de uma série de concessionárias no país. A informação foi reconhecida pela empresa, porém, sem grandes detalhes. No entanto, deverá ser apenas um acordo para que a empresa, hoje parceria principal da Hyundai, seja dona de uma quantidade significativa de lojas.

Na prática, a entrada da CAOA pode tornar os carros da Chery mais presentes, afinal a agressividade do grupo é conhecida. E caso seja confirmada, mostra que o empresário Carlos Alberto de Oliveira Andrade enfim vai conseguir vender carros chineses no Brasil. Ele já havia negociado com outras marcas como a BYD, sem sucesso. Talvez esteja aí a chance de a Chery enfim emplacar no Brasil.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |