Não há mais dúvida que a montadora chinesa Chery está chegando com tudo no mercado brasileiro. Nem bem o crossover Tiggo começa a ser vendido e o próximo passo da marca mostra-se mais ousado ainda: um carro popular com preço de R$ 22 900.

Estamos falando do QQ, o modelo urbano com motor 1.1 litro que chegará em setembro como o quatro portas mais barato do país – ele só não é mais em conta que o Uno Mille Economy duas portas, que custa R$ 22 180.

Mas essa diferença perde o sentido se levarmos em conta que o QQ terá de série itens como direção hidráulica, trio elétrico, airbags, ar-condicionado, CD player e até mesmo freios ABS com EBD – este último ainda dependendo de confirmação da matriz na China.

Apesar do pacote atraente do QQ, a direção da Chery no Brasil concentra mais suas esperanças no Face, um monovolume compacto com ares de Fox e Fit misturados. Ele também será montado no Uruguai como o Tiggo e custará R$ 29 900 com pacote semelhante de equipamentos.

É fato que tanto o Face quanto o A3, médio que terá versões hatch e sedã, são a grande esperança da Chery porque fazem parte de uma nova fase da empresa. Ambos têm projetos próprios e padrão de construção mais cuidadoso. Pode-se dizer que são os mais autênticos carros da Chery – o QQ, por exemplo, foi “inspirado” no antigo Daewoo Matiz.

Nome escolhido na internet

Sobre o A3, a marca pouco falou, mas explicou que seu nome no Brasil será escolhido por meio de uma pesquisa na internet que ocorrerá entre o dia de 7 de setembro e 8 de outubro. O belo carro, projetado pelo estúdio Pininfarina, custará R$ 42 900, pouco menos que um Astra. Como sua designação chinesa é a mesma do modelo da Audi não houve alternativa senão buscar outra denominação.

A Chery, que estuda a construção de uma fábrica no país – embora reconheça que perderá parte das vantagens com seus custos extremamente baixos de produção -, revelou também que prepara outros três modelos inéditos para 2010, mas não especificou quais seriam eles.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |