Que o automóvel é um bem sobrevalorizado no Brasil todo mundo sabe. Dependendo do modelo, chegamos a pagar mais do que o dobro do que um norte-americano ou um europeu precisa gastar para levar o mesmo carro para casa. É nesse contexto que modelos como a nova geração do Chevrolet Cruze, em especial na sua versão mais equipada, nos ajudam a ter uma noção mais exata de como o preço é um item primordial na escolha de um veículo. O AUTOO teve a oportunidade de avaliar o recém-lançado sedã médio em sua configuração mais cara, no caso a versão LTZ equipada com o pacote R7F, que resulta em um preço sugerido de R$ 107.450.

Antes de falarmos dos atributos técnicos e mecânicos da segunda geração do Cruze, vale a pena a gente começar nossa análise pelo mercado, custo-benefício e o que encontramos de opções pelo mesmo valor. Começando pelo líder em vendas da categoria, o Toyota Corolla, teríamos como opção análoga ao Cruze LTZ mais equipado a versão Altis. Por praticamente o mesmo valor, no caso R$ 106.080, os únicos luxos que encontramos para justificar tamanho investimento no Corolla são os faróis com iluminação por LED, os 7 airbags, o sistema de chave presencial com partida por botão e uma completa central multimídia, com TV digital, GPS, câmera de ré, dentre outras funcionalidades. Mas e o controle de estabilidade? Esqueça. E o controle de tração? Menos ainda. Assistentes de condução? Aqui não.

Quando falamos no Cruze de R$ 107.000, estamos falando de um carro que traz de fábrica, apenas para citar alguns recursos, o assistente de estacionamento. Ele controla o volante e ajuda você a realizar manobras paralelas ou perpendiculares, como as de shopping, por exemplo. Também encontramos o alerta de colisão frontal, farol alto adaptativo, assistente de permanência em faixa, banco do motorista com ajustes elétricos e até um carregador sem fio para celulares compatíveis com a tecnologia. Claro que não justifica pagarmos tanto por ele, mas o Cruze LTZ topo de linha nos dá muito mais a sensação de estarmos a bordo de um carro de R$ 100.000 do que o Corolla Altis. Mas e em relação ao Honda Civic 10

 
 
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
Chevrolet Cruze 2017
Chevrolet Cruze 2017
 
 

Por R$ 105.900 você consegue retirar da concessionária o Honda na versão EXL, que ainda conta com o 2.0 16V aspirado sob o capô. Sem dúvida ele é um motor que ainda tem muitas qualidades, porém sem o brilho da eficiência do 1.5 com turbo e injeção direta que estreou por aqui junto com a décima geração do Civic. Até por ser um projeto bem mais recente do que o Corolla atual, o Civic 10 não derrapa na falta de equipamentos e traz por esse valor os controles de tração e estabilidade, 6 airbags e central multimídia compatível com os sistemas Apple CarPlay e Android Auto. O grande problema é que, assim como visto no Corolla, o Civic EXL também não se equipara ao Cruze na quantidade e de recursos de conforto e assistência. Logo, não é difícil entender porque o Chevrolet já está ganhando fôlego no ranking de vendas e atualmente ocupa a terceira posição.

Sintonizado com a atual demanda por carros mais eficientes, o conjunto mecânico do Cruze é exemplar. Seu motor 1.4 conta com turbo e injeção direta para entregar 153 cv e 24,5 kgfm de torque com etanol. Em termos de potência é praticamente o mesmo que os propulsores 2.0 16V de Civic e Corolla entrega, só que o torque do 1.4 Ecotec do Cruze é bem mais superior. O Corolla Altis, por exemplo, conta com 20,7 kgfm, enquanto o Civic EXL estaciona nos 19,5 kgfm. O torque é importante pois representa a força gerada pelo motor, e, quanto mais força disponível, mais vigor o carro possui nas acelerações e retomadas.

Em termos de comportamento, o Cruze lembra muito mais a escola do Corolla do que o Civic 10. É inegável que o rodar do Honda é superior mesmo na versão EXL, que não traz recursos como as buchas hidráulicas para a suspensão oferecidas no Civic turbo. Além disso, quando você sai do Civic e vai dirigir o Cruze, logo de cara já é possível notar como a suspensão traseira independente (multibraço) do Honda faz diferença tanto para as respostas dinâmicas como para o conforto. Mesmo assim, o Cruze não desaponta e se vira muito bem com o eixo de torção unindo as rodas traseiras.

O câmbio automático de 6 marchas trabalha bem com o motor Ecotec e realiza trocas rápidas. Seu escalonamento é nitidamente calibrado para buscar maior economia de combustível do que desempenho, mas mesmo assim o Cruze está longe de ser um carro com respostas apagadas. Quando você solicita com vontade o acelerador, dificilmente nota qualquer hesitação do motor, que atende prontamente devolvendo uma aceleração superior à dos rivais 2.0.

Chevrolet Cruze LTZ (com pacote R7F)

  • Resumo

    Preço

    R$ 107.450

    Categoria

    Sedã médio

    Rivais

    Toyota Corolla, Honda Civic, VW Jetta

    Vendas em 2015

    11.513 unidades

  • Mecânica

    Motor

    1.4 16V, flex, turbo, injeção direta

    Potência

    153 cv (E) a 5.200 rpm / 150 cv (G) a 5.600 rpm

    Torque

    24,5 kgfm (E) a 2.000 rpm/ 24 kgfm (G) a 2.100 rpm

    Transmissão

    Automática, 6 marchas

  • Dimensões

    Medidas

    4,66 m de comprimento, 1,80 m de largura, 1,48 m de altura e 2,70 m de entre-eixos

    Peso

    1.321 kg

    Porta-malas

    440 litros

Um dos raros modelos da categoria a contar com sistema start-stop, que desliga o motor quando o carro encontra-se parado, o Cruze entrega bons números de consumo, registrando parciais de 7,6 km/l na cidade e 9,6 km/l na estrada com etanol. Com gasolina os valores sobem para 11,2 e 14 km/l, respectivamente. 

Com um ganho de 15 mm no entre-eixos e 62 mm no comprimento, o espaço interno do Cruze melhorou bem, em especial para os passageiros no banco traseiro, que estão longe de passar qualquer aperto. O porta-malas de 440 litros só peca no acabamento um pouco descuidado, com algumas partes da forração deixando partes da carroceria a mostra pelo menos na unidade avaliada, porém o espaço está adequado com a média do segmento.

Na cabine, a Chevrolet apostou em tons mais claros para a versão topo de linha do Cruze, porém não quis sair muito do tradicional e optou por manter um cinza mais tradicional como a tonalidade básica. Pelo menos há revestimento de couro nos bancos, volante, perfis de porta e painel, como é esperado em um modelo desta categoria. Ainda no interior, vale a pena destacar a presença do sistema OnStar, recurso que nenhum outro modelo do segmento oferece e pode ser muito prático em algumas situações. A central multimídia

Com um conjunto mecânico moderno e eficiente e destacando-se pelo alto nível de tecnologia embarcada sem exagerar no preço, o Chevrolet Cruze pode ser apontado como a melhor compra – e, sem dúvida nenhuma – a mais racional da categoria. Ele atende tudo o que se espera de um carro na faixa de R$ 100.000 e ainda oferece muito mais que os rivais em itens de assistência a condução, comodidade e conforto. Ele pode não ter a reputação que Honda Civic e Toyota Corolla conquistaram no segmento, mas vale a pena você considerá-lo em sua próxima compra.

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |