Na despedida de Jaime Ardila (presidente da empresa na América do Sul), a General Motors anunciou nesta semana a ampliação do plano de investimentos no Brasil, ao confirmar um novo aporte de R$ 6,5 bilhões que será destinado para o desenvolvimento de uma nova família global de automóveis Chevrolet para os mercados emergentes - os novos modelos deverão ser inseridos no mercado a partir de 2019.

Serão seis veículos, incluindo os sucessores do Onix, Prisma, Cobalt, Spin e até mesmo do Tracker, já que a GM revelou anteriormente que a próxima geração do crossover compacto deverá ser fabricada no território brasileiro. O sexto modelo poderá ser uma nova picape para a linha da marca, para ocupar o lugar da atual Montana.

A família de compactos será desenvolvida pela divisão brasileira com ajuda de outras filiais como a chinesa. No comunicado, a empresa revelou que o foco será em “conectividade, segurança, eficiência energética e valor atraente”, com atributos para garantir que cada modelo seja feito sob medida para atender as expectativas dos clientes. A produção acontecerá no Brasil, China, Índia e México, com exportação para outros mercados emergentes e a base tecnológica pode vir do novo Spark, compacto que a marca venderá em vários outros países, incluindo os Estados Unidos.

Apesar do volume de investimentos, a GM negou que abrirá uma nova fábrica no país. Segundo ela, as unidades de São Caetano do Sul e Gravataí, no Rio Grande do Sul, darão conta da produção - São José dos Campos, onde está a maior unidade na região, não receberá investimentos por "não ser viável para a produção de carros compactos", disse um executivo da empresa. A planta perdeu importância na estratégia da GM devido aos embates com o sindicato local, que não costuma negociar com a fabricante.

Horizonte positivo

O anúncio um tanto precoce da GM ocorre num momento em que as principais marcas de carros cortam empregos e reduzem a produção para se adequar ao mercado desaquecido. No entanto, segundo a GM, o Brasil continua a ser um dos seus mais importantes mercados e a atual situação é passageira, na visão da empresa - hoje nosso mercado é o 3º mais volumoso para a montadora. O investimento também incluirá novos motores e transmissões, área onde a GM está um pouco atrás de seus rivais.

Ex-Ford

Ao mesmo tempo em que anunciou o investimento, a GM comunicou a aposentadoria do colombiando Jaime Ardila. Ele assumiu a divisão brasileira e do Mercosul no final de 2007 e, em 2010, passou a ser o presidente da GMSA, uma nova divisão que inclui todos os mercados da América do Sul. De trato educado e conciliador, Ardila comandou a renovação da linha após a crise pela qual passou a gigante no final da década passada. Não se furtou mesmo a participar dos comerciais de televisão que a Chevrolet veiculou nos últimos anos. Ele será substituído pelo americano Barry Engle que, curiosamente, foi presidente da rival Ford no Brasil entre 2005 e 2006.

 
 
Jaime Ardila Jaime Ardila
A versão LTZ custa R$ 49.990 A versão LTZ custa R$ 49.990
O Onix 1.4 LTZ tem preço inicial de R$ 44.690 O Onix 1.4 LTZ tem preço inicial de R$ 44.690
Chevrolet Tracker 2014 Chevrolet Tracker 2014
18 - Chevrolet Cobalt: 59.685 emplacamentos 18 - Chevrolet Cobalt: 59.685 emplacamentos
Chevrolet Montana 2015 Chevrolet Montana 2015
O modelo ganhou novos para-choques, molduras e saias laterais, e rodas de 16 polegadas O modelo ganhou novos para-choques, molduras e saias laterais, e rodas de 16 polegadas
Barry Engle, novo presidente da GM na América do Sul Barry Engle, novo presidente da GM na América do Sul
Chevrolet Spark de segunda geração pode serviu de base tecnológica para a nova família Chevrolet Spark de segunda geração pode serviu de base tecnológica para a nova família
 
 
Redação

Redação |