O segmento dos utilitários esportivos compactos é onde qualquer marca de volume precisa atuar para ter sucesso comercial não só no Brasil como no mundo inteiro. Se até a década passada só a Ford atuava no segmento que ela praticamente criou com o EcoSport, hoje a concorrência já é bem mais acirrada. 

E é justamente nessa disputa que Hyundai Creta e Chevrolet Tracker aterrizam no mercado. Nós convidamos os dois modelos para um comparativo aqui no AUTOO considerando suas versões mais caras, no caso o Tracker LTZ (R$ 89.990) acrescido do pacote de opcionais 1SF, que coloca no SUV os airbags laterais e de cortina e faz o Chevrolet Tracker LTZ completo atingir o preço sugerido de R$ 92.990. 

Na outra ponta figura o Hyundai Creta em sua versão mais completa, a Prestige, que conta com motor 2.0 16V e chega às concessionárias Hyundai Brasil por R$ 99.490. O Creta é vendido sem opcionais, o que é uma vantagem para o consumidor inclusive na hora da revenda.

Por que o Hyundai Creta é mais caro?

Partindo para uma análise do custo-benefício, o Chevrolet Tracker LTZ traz os principais itens que se espera de um carro nessa faixa de valor (exceto pelo ar-condicionado manual, que, convenhamos, deveria ter acionamento digital), com destaque para o teto solar elétrico, alerta de ponto cego nos retrovisores, rodas de alumínio aro 18”, chave presencial com partida por botão, bancos com revestimento de couro sendo que o do motorista acrescenta a regulagem lombar elétrica. Além disso, só no Tracker e no restante da linha Chevrolet você encontra de série o prático OnStar, recurso de telemática que pode ajudar bem em alguns momentos. 

O Hyundai Creta Prestige, por sua vez, custa exatos R$ 6.500 a mais que o Chevrolet Tracker LTZ todo equipado e traz um pacote de itens de série, digamos, mais “correto”. Além do ar-condicionado automático digital, ele já sai de fábrica com 6 airbags, acendimento automático dos faróis, revestimento interno de couro marrom e rodas de liga leve aro 17” finalizadas com acabamento diamantado.

Achou que o Creta Prestige ainda não justifica a grande diferença de preço?

Pois é, o que ajuda a explicar o maior preço do Creta Prestige está em um importante item de segurança: os controles de tração e estabilidade, recursos importantíssimos em qualquer veículo ainda mais naqueles de proposta familiar como é o caso. O fato do Tracker não oferecer os equipamentos, mesmo após o profundo facelift que recebeu, custa ao Chevrolet pontos muito importantes.

Em termos de conectividade, a central multimídia com tela de 7” do Creta Prestige tem um visual não moderno quanto a do Tracker, contudo ela é bem completa e traz navegador integrado. Tanto a central multimídia do Hyundai como o MyLink do Tracker oferecem suporte para os softwares Apple CarPlay e Android Auto, bem como em ambas você vai encontrar a conveniência da câmera de ré.

Assim como no Tracker, você encontra no Creta Prestige a chave presencial com partida por botão, porém recursos como o teto solar e o alerta de ponto cego não são oferecidos no SUV compacto da Hyundai.

Por dentro dos dois "jipinhos"

A atualização que a Chevrolet promoveu no Tracker foi mais do que bem-vinda. A sensação a bordo do modelo é que você acaba de entrar em um carro mais moderno do que o Creta Prestige.

Na cabine do Chevrolet você encontra uma agradável brincadeira com formas e cores, sendo que o couro dos bancos chega a mesclar duas tonalidades. Aliás, você encontra até mesmo o couro revestindo parte do painel da versão LTZ, o que cria uma sensação de mais sofisticação.

O Creta, que é derivado de um projeto com alguns anos em mercados como o indiano e o russo, não traz o mesmo frescor na cabine que encontramos a bordo do Tracker. Por dentro, o Creta é mais conservador e algumas peças, pelo menos para este que vos escreve, não contam com um aspecto visual muito bom, como é o caso da tela do visor do ar-condicionado. O marrom aplicado no interior do Creta também é uma escolha ousada, já que ele não cai no gosto popular muito facilmente.

Só que a contrapartida do Creta vem no lado racional, com uma cabine que oferece uma sensação de espaço superior em relação a do Tracker, em especial para os passageiros no banco traseiro. A bordo do Tracker, você consegue instalar dois adultos com conforto, já no Creta uma criança viaja bem acomodada entre os dois passageiros do banco traseiro.

Olhando para os números, o porta-malas do Creta é muito mais generoso, com capacidade para 431 litros de bagagem, enquanto o Tracker não vai além dos 306 litros. Para você ter uma ideia, um Hyundai HB20 é capaz de acomodar 300 litros no compartimento. Logo, o Tracker traz uma proposta bem semelhante à de modelos como o Jeep Renegade, onde foca mais no uso urbano por um casal sem filhos do que em ser um modelo de aspiração familiar.

Uma característica bem peculiar no Tracker, contudo, é a boa altura para a cabeça dos ocupantes, que mesmo na versão LTZ com teto solar não sofrerão nenhum incomodo pela presença desse item.

 
 
Chevrolet Tracker 2017
 
Chevrolet Tracker 2017
Chevrolet Tracker 2017
Chevrolet Tracker 2017
 
Chevrolet Tracker 2017
Chevrolet Tracker 2017
Chevrolet Tracker 2017
 
Chevrolet Tracker 2017
Chevrolet Tracker 2017
Chevrolet Tracker 2017
 
Chevrolet Tracker 2017
Chevrolet Tracker 2017
Chevrolet Tracker 2017
 
Chevrolet Tracker 2017
Chevrolet Tracker 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
Hyundai Creta 2017
Hyundai Creta 2017
 
 

Ao rodar

Quem olha as novas especficações técnicas do Chevrolet Tracker sequer pode imaginar que a marca cometeu uma falha tão grande de deixar de lado os controles de tração e estabilidade para o modelo.

Embaixo do capô do Tracker reside o moderno e eficiente 1.4 Ecotec, que sobrealimentado por turbocompressor e com a dose exata de combustível chegando dentro da câmara de combustão por meio da injeção direta, ele entrega 153 cv de potência a 5.200 rpm e 24,5 kgfm de torque a 2.000 rpm, ambos com etanol. Equipado com um start-stop que não permite ao motorista desligá-lo, o Tracker LTZ alcança parciais de 10,6 km/l na cidade e 11,7 km/l na estrada utilizando gasolina nos dois casos.

O Creta, por sua vez, conta com um motor que não brilha tanto aos olhos, porém ninguém pode dizer que ele está defasado. Trata-se do mesmo 2.0 flex que encontramos em modelos como o Elantra, sendo que no SUV o propulsor despeja 166 cv a 6.200 rpm e 20,5 kgfm de torque a 4.700 rpm. Também equipado com start-stop, sistema que desliga o motor quando o carro encontra-se parado, o Creta Prestige é capaz de percorrer 10 km/l em uso urbano e 11,4 km/l trafegando em vias rodoviárias.

Em termos de desempenho, ambos aceleram alcançam os 100 km/h em pouco menos de 10 segundos, contudo a sensação a bordo do Creta é que o modelo ganha velocidade mais rápido, uma das vantagens dos motores aspirados que não precisam lidar com o turbo lag. Porém, em especial na versão LTZ com suas rodas aro 18”, o Tracker oferece um manejo mais esportivo em relação ao Creta, um dos pontos fortes da personalidade do SUV compacto da Chevrolet.

De qualquer forma, até mesmo pelo torque bem superior, era esperado que o Tracker tivesse respostas melhores tanto na dinâmica como na hora de abastecer. O que explica grande parte desse comportamento do Tracker é o seu peso muito elevado, de 1.413 kg. Com praticamente o mesmo tamanho que o Tracker, o Hyundai Creta pesa 1.399 kg e ambos são dois obesos perto do top model Nissan Kicks com apenas 1.142 kg na versão SL. 

Conclusão: qual comprar, o Hyundai Creta Prestige ou o Chevrolet Tracker LTZ?

Após avaliarmos tudo o que Hyundai Creta e Chevrolet Tracker têm para entregar, o SUV compacto da Hyundai mostra-se a melhor escolha.

Apesar de mais caro, o Hyundai Creta Prestige agrada em pontos cruciais, como o maior nível de segurança graças aos controles de tração e estabilidade bem como pelo maior espaço interno e capacidade de carga no porta-malas. Em termos mecânicos, apesar do motor 2.0 e o câmbio automático de 6 marchas não formarem uma dupla moderna como o 1.4 turbo do Tracker, o Creta dá conta do recado e entrega o mesmo em termos de desempenho e economia.

A partir do momento que você adquire o carro, também conta a favor do Hyundai Creta o prazo de garantia de 5 anos e o custo de revisões competitivo dentro do segmento.

Fica claro, depois de analisarmos os dois modelos, que o Chevrolet Tracker é uma excelente opção de compra quando consideramos sua versão de entrada LT. Por R$ 79.990 ela entrega um custo-benefício excelente e mantém o que há de melhor no Tracker, no caso o motor 1.4 turbo e as boas respostas ao volante.

Se isolarmos os números de fevereiro, o Hyundai Creta já cumpriu a meta estabelecida pela marca de figurar nas três primeiras posições do ranking de vendas do segmento. Com 2.331 unidades emplacadas em março, o Hyundai Creta já deixou para trás o Nissan Kicks, ficando logo atrás do Jeep Renegade e do líder Honda HR-V. Fôlego e um bom conjunto para justificar a posição o Hyundai Creta Prestige mostrou que tem. 

Ficha técnica

Hyundai Creta 2017 Prestige 2.0 16V flex automático 4p
Preço R$ 99.490 (04/2017)
Categoria SUV compacto
Vendas em 2017 7.000 unidades
Motor 4 cilindros, 1999 cm³
Potência 156 cv a 6200 rpm (gasolina)
Torque 19,1 kgfm a 4700 rpm
Dimensões Comprimento 4,27 m, largura 1,78 m, altura 1,635 m, entreeixos 2,59 m
Peso em ordem de marcha 1399 kg
Tanque de combustível 55 litros
Porta-malas 431 litros
Veja ficha completa

Ficha técnica

Chevrolet Tracker 2017 LTZ 1.4 16V flex automático 4p
Preço R$ 92.390 (04/2017)
Categoria SUV compacto
Vendas em 2017 1.844 unidades
Motor 4 cilindros, 1399 cm³
Potência 150 cv a 5600 rpm (gasolina)
Torque 24 kgfm a 2100 rpm
Dimensões Comprimento 4,258 m, largura 1,776 m, altura 1,678 m, entreeixos 2,555 m
Peso em ordem de marcha 1413 kg
Tanque de combustível 53 litros
Porta-malas 306 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |