Pouco tempo antes de desembarcar no Brasil, o C4 Pallas, sedã baseado no modelo médio já havia chegado à China. Mais que isso, o modelo foi criado para o mercado chinês em primeiro lugar. Mas pouca gente sabe que lá ele não recebe a denominação “C4” porque o número é considerado ruim pelas crenças locais. Por isso o Pallas foi batizado como C-Triomphe.

Mas nem mesmo esse nome deu muita sorte. A Dongfeng, parceira chinesa da Citroën, decidiu desenvolver uma nova versão sedã, mais curta e com uma traseira mais elegante que o C-Triomphe. E, como não poderia ser diferente, batizou o carro com um nome por extenso. Eis aí o C-Quatre, que é o número 4 em francês.

Além da traseira bem mais resolvida que a do nosso C4 Pallas – inspirada, por sinal, no sedã C5 –, o C-Quatre tem uma grande diferença. Ele tem as medidas do C4 hatch, cujo entre-eixos é mais curto. É a prova de que nem todos os sedãs precisam ter essa medida elevada para ficar elegante.

Em compensação, o C-Quatre oferece menos espaço para os passageiros no banco traseiro, mas os chineses não têm grande estatura média, portanto a alteração talvez nem seja notada.

O fato é que o C-Quatre é uma alternativa mais adequada para enfrentar sedãs mais esportivos como o Civic. A pergunta que fica no ar é se a Citroën trará o C-Quatre para a América Latina – a família C4 é fabricada na Argentina – já que todas as versões do modelo são vendidas no Brasil, por exemplo.

Por enquanto, ele estará disponível apenas para os chineses a partir de junho.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |