A sigla é clássica – DS – e se refere a um dos carros mais famosos da Citroën e um marco de design e tecnologia. O Citroën DS original representa para a França o que o Ford Mustang ou Mini Cooper significam para Estados Unidos e Inglaterra.

Por isso estranha-se o fato de a Citroën ter demorado tanto para recriá-lo com roupagem futurista. Mas a montadora se redimiu e foi além: decidiu lançar uma nova linha de modelos com a grife DS. O primeiro foi mostrado recentemente e recebeu a designação DS3. É uma espécie de hatch premium, capaz de fazer frente ao próprio Mini e ao futuro Audi A1, por exemplo.

A linha DS será mais sofisticada e esportiva e existirá em paralelo com a linha “C”, que é vendida no Brasil. Depois de mostrar apenas o exterior do DS3, agora a Citroën revelou como é o seu interior.

O visual, no entanto, foge completamente da aparência futurista de seus carros convencionais. A tecnologia está lá mas com ar retrô. Nada de mostrador digital de velocidade e sim o tradicional visor analógico. O acabamento é caprichoso, mas o desenho lembra o do PT Cruiser.

A pergunta que fica no ar é: “a Citroën não teria chegado tarde à onda retrô? Vamos descorbrir isso a partir de março de 2010, quando o DS3 começar a ser vendido.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/