Quando anunciou que construiria uma fábrica no país em dezembro de 2013, a Jaguar Land Rover testemunhava um Brasil bem diferente do atual. A presidente Dilma Rousseff, ainda no primeiro mandato, tinha 43% de aprovação apesar dos protestos em junho daquele ano. A inflação já apontava para cima, mas fechou o ano em 5,9%. O desemprego parecia um fantasma distante: apenas 4,3% da população ativa procurava por uma nova ocupação. Já o PIB, embora abaixo da inflação, ainda crescia 2,3%.

O mercado de veículos experimentava a primeira queda em uma década. Foram 3,77 milhões de veículos emplacados contra 3,8 milhões de 2012. Ou seja, um dos maiores consumidores de automóveis do mundo e onde uma fabricante como a Jaguar Land Rover não poderia ficar de fora.

 
 
Fábrica gerou mil empregos na cadeia produtiva
 
Fábrica gerou mil empregos na cadeia produtiva
Fábrica gerou mil empregos na cadeia produtiva
Evoque é o primeiro modelo a sair de Itatiaia
 
Evoque é o primeiro modelo a sair de Itatiaia
Evoque é o primeiro modelo a sair de Itatiaia
Fábrica da Land Rover é mais simples que as de montadoras de grande porte
 
Fábrica da Land Rover é mais simples que as de montadoras de grande porte
Fábrica da Land Rover é mais simples que as de montadoras de grande porte
Fábrica da Land Rover em Itatiaia
 
Fábrica da Land Rover em Itatiaia
Fábrica da Land Rover em Itatiaia
Fábrica da Jaguar Land Rover no Brasil: 30 meses depois, um país diferente
 
Fábrica da Jaguar Land Rover no Brasil: 30 meses depois, um país diferente
Fábrica da Jaguar Land Rover no Brasil: 30 meses depois, um país diferente
 
 

Que país é este?

Pois bem, 30 meses depois, o cenário que a nova fábrica da empresa encontrará a partir deste dia 14 de junho, quando está sendo inaugurada, é como se a JLR tivesse errado o país onde a construiu.

A presidente reeleita em 2014 já não está mais no poder – a aprovação nos últimos dias de governo era de apenas 10% -, e a inflação, depois de bater em quase 11% no ano passado, recuou um pouco e é estimada em 7,6 este ano. Já o desemprego virou uma realidade assustadora: quase triplicou de 2013 para cá, pulando para 11,2%. Enquanto isso, o PIB deve encolher 3,8% este ano, completando cinco trimestres de recessão.

E as vendas de carros? Simplesmente desabaram para projetados 2,08 milhões de veículos em 2016, uma redução de 61% comparado aos números de 2013.

Raio-X da fábrica
Autoo

Land Rover para brasileiros

Mas o argumento da indústria automobilística para a crise não muda: o Brasil é um mercado imenso, mesmo não estando em seus melhores dias e não dá para ficar fora dele ainda mais quando vários concorrentes fincaram pé por aqui.

Por isso, a fábrica da empresa já começa produzindo dois modelos de uma vez, o Evoque, um SUV “cupê” de enorme sucesso no mundo, e o Discovery Sport, versão família e voltada a um público que precisa de mais espaço – juntos eles respondem por 70% das vendas da Land Rover no país e cujas versões nacionais já começarão a ser entregues nas concessionárias neste mês.

Assim como outras fábricas de marcas de luxo, a unidade da empresa britânica é pequena se comparada à de montadoras mais populares: tem 60 mil m² e é capaz de produzir 24 mil veículos por ano, embora vá começar num ritmo bem menor do que esse – para se ter ideia, a Land Rover vendeu 3 mil carros nos cinco meses de 2016. Logo, é bem possível que esse seja o volume inicial de produção em Itatiaia. De lá, o Evoque já começa a ser produzido neste mês e o Discovery Sport a partir de agosto. 

O índice de nacionalização também começa baixo e vai se aproximando da meta estipulada pelo Inovar Auto. Mas engana-se quem pensa que haverá modelos da Land Rover espalhados por toda a parte: mesmo fabricados no país, os SUVs britânicos continuaram custando muito e para uma parcela mais restrita de consumidores.

A vantagem da operação está mais em evitar as constantes oscilações da nossa economia, cujo câmbio pode ir de R$ 2,37 (cotação do dia do anúncio da fábrica) a R$ 3,45 (na véspera da inauguração). Ao menos agora a fabricante estará preparada para quando o país retomar o crescimento e isso talvez faça valer o famigerado “risco Brasil”. 

Ao menos por enquanto ainda não há previsão de produzir outros modelos da Jaguar Land Rover, nem sequer exportar o Evoque e o Discovery Sport para outros mercados além do brasileiro. O volume total de produção da unidade, contudo, deixa margem para que o grupo inglês invista na nacionalização de outros produtos, o que dependerá, obviamente, de um cenário mais favorável ao país na economia e na política.  

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |