Quando falamos em testes de segurança para um automóvel, logo vem à cabeça o famoso Euro NCAP. Nele, são realizadas avaliações com impacto frontal, lateral, contra postes, entre outros. Porém, o que sempre passou em branco foi a força do teto do veículo.

Como nos Estados Unidos a moda é carros maiores, mais sujeitos a capotamentos, o IIHS (Insurance Institute for Highway Safety, uma espécie de Detran deles) resolveu inovar e está avaliando impactos no teto dos automóveis.

Os testes são financiados pelas principais empresas de seguro do país e colocam os veículos em situações com forças de até quatro vezes o peso do modelo. A partir dos resultados, é divulgada uma pontuação de como os automóveis se saíram.

Na última bateria de avaliação, o IIHS provou 12 utilitários e crossovers. Dentre os que se saíram bem no teste, estão o Volkswagen Tiguan (que começará a ser vendido no Brasil ainda este ano), o Subaru Forester (também comercializado por aqui), o Honda Element e o Jeep Patriot. Outros modelos receberam avaliação apenas “aceitável”, como Suzuki Grand Vitara, Chevrolet Equinox, Toyota RAV4, Nissan Rogue e Mitsubishi Outlander.

Os que se deram pior no teste foram o Honda CR-V e o Ford Escape, com pontuações que os colocam em uma categoria não muito boa. Mas a nota mais baixa ficou por conta do Kia Sportage, com desempenho classificado como “pobre”.

Só para efeito de curiosidade, a prova do impacto sobre o teto do veículo é feita utilizando uma placa metálica a uma velocidade constante. A força é exercida em uma das “quinas”. A parte do carro não pode deformar mais do que 12,7 cm.

Redação

|