A Mini seguirá o exemplo da BMW e terá no Brasil um Cooper mais barato que o Chilli, atual produto de entrada da marca, vendido por R$ 89.700. Assim como a marca alemã (que controla a inglesa) fez com o hatch 118i e o sedã 320i, a Mini vai excluir alguns equipamentos do compacto e o venderá por aproximadamente R$ 80.000, como contou ao AUTOO Martin Fritsches, diretor da montadora no Brasil. O lançamento oficial do novo Cooper será no Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro.

Porém, o novo modelo não terá seu motor “amansado”, como ocorreu com os carros da BMW, que viram sua potência cair de 156 cv para 136 cv (118i) e 218 cv para 156 cv (320i). O Cooper que a Mini prepara apenas perderá equipamentos, mantendo o bloco 1.6 litro de 120 cv que equipa outras versões – como a própria Chili e o Cabriolet. Com a novidade, a marca expandirá sua faixa de preços, tentando conquistar assim clientes de smart fortwo (R$ 57.900), Fiat 500 (R$ 65.540) e do futuro Audi A1, que deve chegar por aqui custando entre R$ 85.000 e R$ 90.000.

Rodrigo Mora

|