Com reajuste de R$ 930, o Fiat 500 foi lançado nesta quinta-feira, dia 1º, no Rio de Janeiro. O compacto premium de visual diferenciado custará R$ 62 870 por causa do fim da isenção do IPI – a marca havia divulgado o preço de R$ 61 900 em setembro.

Serão quatro versões disponíveis com dois acabamentos – Sport e Lounge, este mais sofisticado – e dois tipos de câmbio, um manual de seis marchas e outro Dualogic, de cinco. Este último, uma caixa com embreagem automatizada, vem equipada também com paddle-shift atrás do volante.

A Fiat quer usar o 500 – lê-se “tincuetiento” em italiano – para dar um ar mais sofisticado e desejado para a marca. “É um carro de imagem”, definiu Cledorvino Belini, o presidente da Fiat. Por isso não há expectativa por grandes vendas – na melhor das hipóteses, 300 unidades por mês, vindas da Polônia, única fábrica do modelo atualmente.

Como há a possibilidade de produzi-lo em Toluca, no México, na unidade da Chrysler em que o PT Cruiser é fabricado, comentou-se que o 500 poderá vir ao país mais barato. A Fiat desconsiderou essa alternativa: “se ele for mesmo fabricado lá, não mudará em nada nossa estratégia. Não faz sentido popularizar um modelo cujo atrativo é a exclusividade”, nos disse Carlos Eugênio Dutra, diretor de produto e exportação da empresa.

Para a Fiat, o Cinquecento rivalizará com o Smart ForTwo e o Mini Cooper, ambos recém chegados ao país. Perguntado sobre o  New Beetle, um dos primeiros modelos de visual diferenciado do mercado, a montadora desdenhou que o Volks “já é um carro comum”.

O carrinho, de quatro lugares e motor 1.4 16V com 100 cv, tem como público-alvo homens e mulheres com mais de 30 anos e das classes A e B. Ou seja, para a Fiat o 500 é um carro de luxo: “um luxo cult” definiu Lélio Ramos, o diretor comercial da marca.

Veja os preços:

Fiat 500 Sport manual – R$ 62 870
Fiat 500 Sport Dualogic – R$ 66 930
Fiat 500 Lounge manual – R$ 64 900
Fiat 500 Lounge Dualogic – R$ 68 970

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |