A Fiat anuncia ter perdido no primeiro trimestre deste ano US$ 34 milhões, enquanto a Chrysler teve prejuízo de US$ 197 milhões no mesmo período. O anúncio foi feito hoje pelo CEO do grupo, Sergio Marchionne. Em 2009, a montadora italiana teve prejuízo de US$ 558 milhões, enquanto a norte-americana amargou desfalque de US$ 3,78 bilhões.

Mas não é só de perdas que as duas empresas vivem. A Chrysler teve lucro operacional de US$ 143 milhões no primeiro trimestre, enquanto seu volume de negócios chegou a US$ 9,68 bilhões, uma alta de 2,7% em relação ao quarto trimestre do ano passado. Marchionne também afirma que a montadora tem US$ 7,4 bilhões em caixa, cerca de US$ 1,5 bilhão a mais do que possuía no fim de 2009. Neste ano, a previsão é que a Chrysler tenha receita de US$ 40 bilhões a US$ 50 bilhões, além de lucro operacional na casa de US$ 200 milhões.

Na Fiat, os números positivos são os relacionados às vendas, que subiram 14,7% no primeiro trimestre de 2010, ao totalizarem US$ 17,2 bilhões. A previsão para este ano no volume de negócios é da ordem de US$ 66,9 bilhões. O CEO do grupo anunciou ainda que investirá US$ 10,7 bilhões em fábricas de equipamentos e desenvolvimento de veículos nos próximos dois anos. Traduzindo, isso significará o lançamento de 17 novos carros e atualizações de outros 13 já presentes na gama de produtos. Segundo Marchionne, 2/3 dos investimentos serão aplicados na Itália, já que a Fiat quer aumentar sua produção de veículos de 650.000 para entre 800.000 e 1.000.000 de unidades.

Por fim, Marchionne decretou a separação do setor de carros das atividades industriais da Fiat, que reunia tudo sob um só grupo. Agora, Iveco, CNH e as unidades de máquinas agrícolas, motores industriais e marítimos (que são mais lucrativas que os carros) farão parte de uma empresa separada, a Fiat Industrial.

Rodrigo Mora

|