Lançada em 2007 na Europa, a atual geração do compacto Fiesta recolocou a Ford nos eixos, além de iniciar o ambicioso projeto One Ford, que criou uma linha de produtos globais para a marca. E agora, quase uma década depois, chegou a hora do Fiesta mudar por completo.

Imagens de protótipos rodando na Europa circulam nas redes sociais (veja abaixo) e mostram que a Ford preferiu manter uma certa similaridade com o carro vendido hoje, inclusive no Brasil. Isso se traduz nos faróis espichados e na ‘boca’ imensa da grade. Mas é possível ver que a coluna C (atrás da porta traseira) traz um desenho diferente assim como as lanternas deixaram de ficar presas às colunas e agora invadem a tampa do porta-malas – um arranjo que lembra o do Hyundai i30, por exemplo.

Não é possível afirmar com certeza, mas espera-se que o novo Fiesta resolva um dos problemas do modelo atual, que é o pouco aproveitamento do espaço do cockpit – embora o carro seja até grande por fora ele não acomoda tão bem seus ocupantes. Pelo estágio que os protótipos estão, o novo Fiesta deve surgir oficialmente no Salão de Paris, no final de setembro, e ganhar as ruas na virada do ano.

De “city car” restrito ao continente europeu, o Fiesta cresceu e ganhou o mundo, inclusive os Estados Unidos, um mercado antes impensável. No Brasil, ele teve um período de maior relevante até a chegada do novo Ka. A nova geração, caso chegue por aqui, pode se aproximar do Focus e encontrar um nicho mais atrativo. Mas isso só deve ocorrer a partir de 2018.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |