Uma autêntica virada de 180 graus. Antes dedicada a construir e vender gigantes bebedores de combustível como os utilitários esportivos e picapes, a General Motors, acossada por uma possível falência, investe em tecnologias de mobilidade ecológicas e mais simples.

Até então, o modelo mais vistoso dessa pretensa nova fase é o Volt, veículo elétrico que tem consumido horrores em investimentos para tentar chegar ao mercado em 2011. Mas ele não está mais só: a GM mostrou hoje, juntamente com a empresa Segway, o P.U.M.A, um veículo urbano de apenas um eixo e dimensões modestas.

A sigla significa algo como “veículo pessoal urbano de mobilidade e acessibilidade” e é uma evolução do “Personal Transporter”, uma espécie de patinete elétrico que possui um sistema de equilíbrio artificial – o modelo pode ser encontrado em alguns locais, como shoppings no Brasil e ficou célebre pelo tombo que o ex-presidente George W. Bush tomou ao tentar guiá-lo.

Mais seguro e confortável

Mas o primeiro Segway era bem limitado e voltado para pequenas distâncias. O P.U.M.A, ao contrário, resolve algumas deficiências do seu antecessor como as rodas de apoio, para evitar acidentes e facilitar a descida do veículo. Também vem com dois assentos lado-a-lado e cobertura com para-brisa para dias de chuva.

A velocidade máxima é de respeitáveis 56 km/h – uma média que poucos carros conseguem na hora do rush – e o alcance, de 56 km, também dentro do deslocamento padrão de um dia de trabalho.

A GM e a Segway avisam que o modelo é um protótipo sem nenhum trabalho de design. A ideia é testar o conceito exaustivamente para entender sua viabilidade. Novas versões serão mostradas durante o ano e uma decisão deve ser tomada em 2010 sobre sua produção em massa.

Apesar da desconfiança, o P.U.M.A aparenta ter potencial, mas é um tipo de veículo que necessita de vias especiais para rodar – não há como garantir que automóveis 10 vezes maiores que ele o respeitem nas ruas.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/