Dias antes do início do Salão do Automóvel de São Paulo, a Honda realizou o lançamento do novo Fit, monovolume que já tem ótima participação nas vendas do segmento por aqui. E o mais interessante é que, apesar dos bons números que o modelo apresentava, o veículo foi completamente reformulado, tendo, por aqui, a mesma versão vendida no exterior.

Com a mesma iniciativa usada no New Civic, a Honda também dá um ar de “novo” ao monovolume, modificando seu nome para “New Fit”. O modelo passa de três para quatro versões: 1.4 litro (LX e LXL) e 1.5 litro (EX e EXL, com esta última sendo a novidade). Os novos preços ainda não foram divulgados, mas é esperado um aumento de cerca de 5% (anteriormente, os preços iniciais eram de R$ 47 320 e R$ 54 025, nas opções 1.4 e 1.5).

Visual

Logo de cara, fica impossível não reparar as novas linhas do modelo, que se tornaram mais agressivas e modernas. O objetivo da marca era encontrar formas que oferecessem menor resistência aerodinâmica e espaço mais agradável aos ocupantes.

Destaque para a dianteira do automóvel, que passou a ter uma nova grade frontal, além de novos vincos e faróis mais esportivos. E não foi só visualmente que isso tudo mudou. A distância entreeixos, por exemplo, cresceu em 50 mm, aumentando o espaço interior. O comprimento cresceu em 70 mm, assim como a largura, que tem 20 mm a mais que a geração anterior.

Por dentro

Como já comentamos, a Honda se preocupou com o espaço dos passageiros antes de qualquer coisa. Por isso, o habitáculo aparece mais ergonômico e amplo. Para se ter um idéia, o espaço para os ombros aumentou em 44 mm na frente e 43 mm atrás. As pernas dos ocupantes terão 40 mm a mais de conforto. Já que estamos falando de medidas, vamos citar, também, o espaço para o porta-malas, que tem capacidade para 384 litros, algo considerável na categoria.

O painel de instrumentos também foi modificado, com o objetivo de facilitar a leitura por parte do motorista, que, assim, consegue enxergar a informação com maior rapidez.

Motorização e transmissão

O propulsor que equipa a nova geração do Fit é o i-VTEC Flex (Controle Eletrônico Variável de Sincronização e Abertura de Válvulas), em todas as suas versões. A grande novidade nessa área é o aumento de 21,6% da potência na versão 1.4 litro e 10% na 1.5 litro. Ou seja, o primeiro passa a ter 101 cv com álcool (100 cv com gasolina) e o segundo tem 116 cv (115 cv com gasolina). Os torques máximos são de 13 e 14,8 kgfm, respectivamente, ambos a 4 800 rpm.

A transmissão CVT, que dava a sensação de “marcha infinita”, foi abolida. Mas a Honda continuou inovando e introduziu um câmbio automático de cinco velocidades como opção. Também há a alternativa de manual de cinco marchas.

Marchas no volante

A nova opção 1.5 litro EXL já chega visando o conforto do motorista, já que possui o já conhecido Paddle-Shift, ou seja, as trocas marchas no volante, ao maior estilo Fórmula 1. Com a tecnologia, é possível realizar as modificações sem precisar levar a mão à manopla de câmbio.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |

Veja mais notícias da marca