O terremoto em março passado no Japão também fez a terra tremer na fábrica da Honda em Sumaré (SP). Sem componentes importados do país no oriente, que ainda se recupera no campo industrial, a filial brasileira foi obrigada a reduzir sua produção em 50%, cortando um dos três turnos. Isso, consequentemente, ocasionará demissões. Segundo informe divulgado pela marca nessa quarta-feira (18), 400 funcionários serão desligados da planta.

"Em função dos desastres naturais ocorridos no Japão, no início de março, diversos fornecedores de componentes eletrônicos, que não podem ser substituídos facilmente, tiveram sua produção afetada. Com isso, o envio de peças para diversos países, inclusive o Brasil, foi prejudicado", afirma a marca em nota oficial. Atualmente, a marca produz no interior de São Paulo os modelos Civic, City e o Fit.

Além do corte de 12% do efetivo na fábrica e a diminuição da produção – que passará de 600 para 300 carros por dia –, a fábrica ficará com 1.200 colaboradores ociosos. No comunicado, a Honda afirma que ainda está estudando alternativas para esses funcionários durante o período em que a fábrica será operada em dois turnos. A montadora japonesa, entretanto, não divulgou nenhuma data de previsão para readequação da linha.

A fábrica da Honda em Sumaré está paralisada desde a última quinta-feira (12), quando foram iniciadas as conversas com o Sindicado dos Metalúrgicos da região. A divisão nacional da marca também não divulgou quando a situação será normalizada.

Novo Civic fica para 2012

A falta de peças importadas na fábrica da Honda no Brasil também atrasará o início da produção do novo Civic, que era previsto para julho deste ano. A informação veio do Sindicato de trabalhadores da planta. De acordo com a entidade, o novo sedã será fabricado somente a partir de 2012.

Thiago Vinholes

|