Ninguém quer ficar de fora do único segmento cujas vendas estão em alta este ano, o de utilitários esportivos compactos. Para algumas marcas, esse nicho significa quase metade das vendas como é o caso da Honda (HR-V) e Peugeot (2008).

Em outras palavras, não dá para ficar de fora dessa festa, ainda mais quando o mercado em geral está minguado. Até mesmo a Hyundai, que vende bem e tem demanda suficiente para ocupar sua fábrica em Piracicaba, decidiu partir para a briga.

Os coreanos andavam desdenhando desse segmento e sempre que o ix25, seu modelo na categoria, era cogitado tratavam de negar. De fato, há algum tempo atrás não havia como produzi-lo no Brasil, mas este ano, com a queda nas vendas (mesmo para a Hyundai) surgiu espaço para que o SUV pudesse ser feito aqui.

O sinal verde veio pouco tempo atrás quando começaram a circular alguns exemplares de teste no país, mas nesta semana, durante o lançamento do HB20 1.0 turbo, a marca enfim reconheceu que o ix25 será lançado e mais: será o destaque da Hyundai no Salão de São Paulo em novembro.

As vendas, segundo um executivo da marca, começam ainda em 2016, possivelmente no último trimestre do ano.

 
 
Hyundai ix25 2016
 
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
 
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
 
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
 
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
 
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
 
Hyundai ix25 2016
Hyundai ix25 2016
 
 

Quase um HR-V coreano

E o que esperar do ix25? A referência mais próxima do que a Hyundai prepara é o rival HR-V. O ix25 é ligeiramente menor que o SUV da Honda. São 4,27 m de comprimento contra 4,3 m do Honda, 1,78 m de largura (1,77 m), 1,63 m de altura (1,61 m) e entreeixos de 2,59 m (2,61 m).
Ou seja, é um veículo de características urbanas, mas visual ‘off-road light’ que quer dizer que passará longe da terra. No exterior, ele é oferecido com vários motores, de 1.4 a 2.0 além de turbodiesel. Aqui, o natural será vendê-lo com o 1.6 flex de 128 cv e, talvez, o motor 2.0 que equipa o Elantra e oferece 178 cv tanto com etanol quanto gasolina. A transmissão deve ser a de 6 marchas automática, mas não é impossível ver uma opção manual, embora a procura seja pequena.

Mas e o Tucson, o que fazer com o SUV montado pela CAOA e que custa o mesmo que alguns compactos? Eis aí a questão. Esperta como só ela, a Hyundai pode bolar uma estratégia matadora ao oferecer o ix25 como opção de entrada, entre R$ 80 mil e R$ 100 mil, manter o ix35 como modelo intermediário e passar a vender o novo Tucson, já visto rodando no Brasil, numa faixa que o conecte ao Santa Fe.

Quatro SUVs no portfólio. Quem não gostaria disso? Ah, sim, o Tucson atual. Que ele tenha uma feliz aposentadoria.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |