O utilitário esportivo que melhor representa o time daqueles que não sujam o pneu na lama e que mais faz jus à sigla SUV chegou a uma marca de respeito. Em 11 anos, a BMW produziu 1.000.000 de unidades do X5, o veículo que abriu as portas da Série X para X3, X6 e, mais recentemente, o X1. O exemplar que alcançou essa marca, saído da planta de Spartanburg, na Carolina do Sul (EUA), veste a configuração xDrive35i, é preto com o interior em couro marrom e foi comprado por um cliente na China.

Vendido em 120 países, o BMW X5 atualmente oferece quatro opções de motorização. O mais “fraco” deles é um 3.0 de 248 cv, movido a diesel, mesmo combustível do 4 litros de 310 cv. Quem prefere o rodar de um bloco a gasolina, pode contar com um seis cilindros turbo, também de 310 cv, ou um V8 biturbo, de 412 cv – todos eles equipados com transmissão automática de oito velocidades. No Brasil, o X5 parte de R$ 290 000.

Rodrigo Mora

|