Depois de se reiventar no mercado de alto luxo, a britânica Jaguar está apostando em novos segmentos. A montadora lançou o sedã XE em 2014, que acaba de fazer sua estreia no mercado brasileiro. O novo modelo chega com a missão de enfrentar as versões mais caras dos alemães Audi A4, BMW Série 3 e Mercedes-Benz Classe C, em quatro versões, com preço inicial de R$ 169,9 mil.

A exemplo dos rivais, o Jaguar XE carrega no visual a identidade de sua marca. O sedã médio premium se destaca pela dianteira agressiva, marcada pela grade e os faróis espichados, com xénon e LEDs diurnos em formato de “J”. Na traseira, há lanternas com linhas horizontais em LED, tendo como inspiração o F-Type.

Já no interior, o XE une o conservadorismo com a modernidade, com direito ao design “Riva Hoop” no painel, que forma um arco envolvente que sai da porta do motorista, passa pelo fundo do painel dianteiro e termina na porta do passageiro. No console central, há o sistema de entretenimento InControl Touch, com tela de 8 polegadas, e seletor de marchas Rotary Shift como destaques.

Sob o capô, o sedã esconde um motor 2.0 litros Si4 Turbo a gasolina, que rende 240 cavalos de potência e 24,5 kgfm de torque. Há ainda um V6 supercharged de 3.0 litros, com 340 cv e 34,6 kgfm. Ambos estão associados a uma transmissão automática de oito velocidades e tração traseira.

Com o propulsor mais potente, o Jaguar acelera de 0 a 100 km/h em 5,1 segundos. O câmbio ZF de oito marchas oferece ainda opção de trocas sequenciais por meio de paddle shifts atrás do volante. Há ainda um sistema Adaptive Dynamics com amortecedores ativos e configuráveis, que o torna ainda mais dinâmico e conectado à pista.

O XE conta com uma nova arquitetura modular da Jaguar, que combina diversos materiais, como alumínio, metal de alta resistência e magnésio. Ligas de alta resistência, em alumínio AC300 e AC600, são utilizadas nas colunas A e nas estruturas dianteiras e traseiras. As colunas B são em alumínio reforçado com aço resistente.

Há ainda suspensão dianteira Double Wishbone e traseira Integral Link, sistema de direção elétrica assistida, freios de alta performance (com 325 mm ou 350 mm na dianteira e 325 mm na traseira), sistema de vetorização de torque (que reduz a possibilidade de o carro sair de frente nas curvas, freando de forma suave e individual as rodas de dentro, trazendo a dianteira de volta para o trajeto adequado), entre outros.

 
 
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
Jaguar XE Jaguar XE
 
 

Há ainda o sistema All Surface Progress Control de gerenciamento de tração, semelhante a um controle de cruzeiro de baixa velocidade, que proporciona ao XE a capacidade de manter a aderência em qualquer situação. O sistema funciona entre 3,6 km/h e 30 km/h, sendo ativado pelos botões de controle de cruzeiro no volante. Definindo uma velocidade, o motorista se concentra no volante e o carro cuida do restante, garantindo um suave progresso sem derrapagem e sem a necessidade de o condutor tocar os pedais.

A versão mais barata do Jaguar XE, a Pure com motor 2.0, vem equipada com bancos em couro Luxtec, volante multifuncional em couro granulado, sistema start/stop, sistema de monitoramento de pressão dos pneus, faróis xénon com LEDs diurnos, sistema de som com seis alto-falantes, sistema de navegação, All-Surface Progress Control, Jaguar Drive e sensor de estacionamento.

Já o XE Pure Tech, também com o 2.0 litros, por R$ 177 mil, agrega teto solar elétrico, câmera de ré e sensor de chuva.

No Jaguar XE R-Sport 2.0 Si4, disponível por R$ 199,9 mil, há para-choques diferenciados, saias laterais, bancos em couro Taurus com opções bicolores, emblema “R-Sport” no volante e nas soleiras das portas, suspensão recalibrada, faróis de xênon adaptativos com assistente de farol alto, bancos dianteiros com memória, som Meridian com 11 alto-falantes, subwoofer e 380W de potência, volante com ajuste elétrico e rodas aro 18 nas cores preta ou prata.

Por fim, o Jaguar XE S, o único com motor 3.0 V6, por R$ 299 mil, oferece bancos esportivos em couro Taurus e Alcântara (ou inteiramente em couro), acabamento em fibra de carbono e preto piano, soleiras das portas com a inscrição “S”, pedaleiras de alumínio, para-choques exclusivos, aerofólio traseiro, rodas de 19 polegadas, pinças de freio vermelhas, sistema head-up display a laser, Keyless Entry, sensor de estacionamento 360º, monitor de ponto cego com sensor de aproximação de veículos e detecção de tráfego em marcha a ré. 

Versão nacional a caminho

Embora tenha entrado na categoria mais disputada do mercado de luxo, a Jaguar ainda evita o confronto direto com as versões mais acessível dos rivais, que já são ou estão em processo de nacionalização. A BMW já fabrica o Série 3 no Brasil com motor flex e a Mercedes fará o mesmo com o novo Classe C no ano que vem. Já a Audi optou por um sedã menor, o A3 Sedan.

Apesar disso, está nos planos da Jaguar fabricar o XE no Brasil em sua futura unidade de Itatiaia (RJ). A marca ainda desconversa, mas o sedã cairia com uma luva na linha de montagem nacional, juntamente com o Land Rover Discovery Sport e, quem sabe, algum outro produto. Por enquanto, a Jaguar se contenta em vender 600 unidades do XE até o final de 2015.

Redação

Redação |

Veja mais notícias da marca