A primeira fase da integração das operações da Chrysler com a Fiat envolve o uso comum de vários componentes e outras ações ligadas às compras, pós-venda e produção, mas a parte mais visível, os veículos, só agora começa a ficar clara.

Enquanto não desenvolve modelos partindo do zero para as várias marcas do grupo – Alfa Romeo, Lancia, Dodge, Jeep e as próprias Fiat e Chrysler – a montadora adotará uma estratégia de emergência: maquiar alguns modelos para vendê-los em outros mercados.

A Lancia deverá ser uma das primeiras beneficiadas. Vendida sobretudo na Itália, a marca ganhará três novos modelos em 2011: o Thema, Flavia e uma van de oito lugares que na realidade são o novo Chrysler 300, o sedã 200 e a conhecida Town & Country.

A previsão é que as primeiras variantes italianas estejam presentes no Salão de Genebra, que acontece em março. Embora as modificações sejam desconhecidas, é consenso na indústria que não serão grandes – apenas retoques estéticos para identificá-las com a nova marca. Estratégia semelhante será feita com o crossover Journey, da Dodge, que terá uma versão vendida pela Fiat com o provável nome de Freemont.

Além de modernizar a linha da Lancia, a medida também facilitaria a aceitação dos modelos da Chrysler na Europa, cujas vendas no passado foram modestas.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/

Veja mais notícias da marca