As marcas premium nunca estiveram tão felizes com o Brasil. Depois que a crise econômica minou as previsões de vendas em países do 1º mundo, os emergentes viraram a bola da vez de fabricantes como Mercedes-Benz, BMW e Audi.

Não é à toa que hoje as duas primeiras disputem um novo cliente que antes não tinha opções no portfólio delas. Hoje modelos como o 118i e o 320i, da BMW, e mesmo o Classe B 180 ou o Audi A3 Sport custam perto de R$ 100 mil, uma faixa de preço com muito mais consumidores.

A vantagem hoje é da BMW. Além de liderar os hatches premium com o Série 1, a marca bávara vende muitos sedãs da Série 3. Para a Mercedes-Benz a solução chega agora com o C 180 Kompressor, uma versão com motor 1.6 com 156 cv de potência e preço bem mais em conta que o C 200, o mais vendido da família.

O valor do C 180 é de R$ 119 900, uma redução de mais de R$ 26 mil em relação a C 200, mas ainda assim mais caro que o 320i – que custa R$ 112 500.

Ainda assim, o Classe C de entrada traz vários itens interessantes como teto solar elétrico, bluetooth, sensor de chuva e crepuscular, ajuste semielétrico dos bancos, EPS e piloto automático.

O azar não é nem da BMW e sim dos demais concorrentes que terão de oferecer produtos comuns para brigar com dois clássicos entre os modelos premium.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/