O ex-baterista da banda inglesa Pink Floyd, Nick Mason, encabeça a criação de um grupo de investimentos destinado a comprar e vender carros clássicos. Inicialmente a quantia aplicada será de US$ 150 milhões, com retorno esperado de 15% ao ano. “Esse é o primeiro fundo de automóveis clássicos que é puramente financeiro, sem levar em conta paixão”, diz o diretor do fundo Guernsey, Nick Lancaster. Cada investidor terá que entrar com, no mínimo, US$ 500.000.

Em três anos, o fundo promete reunir uma coleção de 20 a 40 carros, que tenham uma história nas pistas ou tenham sido propriedade de alguma personalidade. Segundo Lancaster, automóveis esportivos serão os mais cobiçados, como Ford GT40, Shelby Daytona Coupe, Aston Martin DB4 Zagato, McLaren F1, Porsche 917 e Ferrari 250 GT – uma das 36 unidades produzidas da Ferrari GTO foi vendida no ano passado por nada menos que US$ 26 milhões. No entanto, o executivo promete observar o mercado de clássicos, para evitar golpes e falsificações que são frequentes em outros ramos, como artes e bebidas.

Além de ex-baterista de uma das bandas mais fantásticas do mundo, Nick Mason é um apaixonado por carros: na sua garagem há dezenas de Aston Martin, Bentley, Bugatti, Jaguar, Ferrari e Porsche. O inglês já correu cinco vezes as 24 Horas de Le Mans e guiou um Auto Union Type C Silver Arrow pela Audi Tradition durante o festival de clássicos de Goodwood. 

Rodrigo Mora

|