Uma das principais novidades do Salão de Detroit foi uma das primeiras a ser revelada, causando certa decepção em quem esperava mais do até então conhecido como New Midsize Sedan. Exclusivo para o mercado norte-americano, o NMS não só é parecidíssimo com o Passat europeu (que chega por aqui já no primeiro trimestre), como também empresta seu nome. Com 4,86 m de comprimento, 10 cm a mais do que o europeu, é o maior Passat já construído pela Volkswagen.

Sob o capô, o Passat terá três opções. Começando por um 2.5 litros de quatro cilindros, capaz de gerar 170 cv. Seu câmbio pode ser manual de cinco velocidades ou automático, de seis. Outra opção é o 3.6 litros V6, de 280 cv, equipado com transmissão DSG de dupla embreagem. Para os americanos que preferem propulsores a diesel, há um 2.0 turbodiesel, de 140 cv. Seu preço estimado é de US$ 20.000.

Curiosamente, o novo Passat será oferecido nas versões S, SE e SEL, seguindo as nomenclaturas da Ford. Entre os equipamentos, destaque para o sistema de som criado pela Fender.

O Passat dos EUA será fabricado na nova planta da VW no Tennesse, de onde sairão incialmente 150.000 unidades por ano. Ele abrirá as portas para uma forte abordagem da marca no mercado norte-americano, que terá a ajuda de um futuro SUV, também exclusivo para os EUA – a VW quer quadriplicar suas vendas por lá, chegando a 1 milhão de carros até 2018.

Rodrigo Mora

|