A Oroch e, sobretudo, a Toro comprovaram que existia demanda para picapes maiores que as compactas, mas não tão desajeitadas quanto às médias como S10, Ranger e Hilux. Mas isso significa que as pequenas de cabine dupla estão fadadas à aposentadoria?

De jeito nenhum. A picape da Fiat custa muito, quase na faixa dos R$ 80 mil, e a Renault começa onde Strada e Saveiro têm suas versões mais equipadas. Ou seja, se você não tem mais de R$ 70 mil e quer ter um conteúdo decente existem opções. Uma delas é a Saveiro Highline, versão civil da picape da Volks que o AUTOO avaliou.

Amarokinha

A Saveiro 2017 estreou neste ano um novo visual, o primeiro exclusivo adotado até hoje. Até então, a VW seguia a regra de replicar o estilo do Gol na picape apenas. Agora isso acabou, para sorte dos fãs do modelo. O visual da Saveiro, com faróis maiores e mais marcantes, lembram sua irmã maior, a Amarok.

Por dentro, a picape ganhou o novo painel que estreou no Gol 2017, com acabamento aprimorado que corrigiu um dos pontos fracos da família. A versão Highline tem um pacote de itens de série que deixa o ambiente mais agradável se comparado ao do Gol 1.0, também avaliado pelo AUTOO.

Mas, afinal, para quem a Saveiro Highline pode agradar? Com cabine dupla, a picape serve como carro da família, capaz de levar crianças no banco traseiro e ainda oferecer um bom ‘porta-malas’ desde que equipada com capota marítima.

 

Volkswagen Saveiro Highline 1.6 2017

  • Resumo

    Preço

    R$ 63.070

    Categoria

    Picape compacta

    Rivais

    Fiat Strada Trekking (R$ 62.290) e Renault Oroch Expression (R$ 65.230)

    Vendas em 2016

    12.272 unidades (jan-abr)

  • Mecânica

    Motor

    1.6 8V flex

    Potência

    104 cv a 5.250 rpm (etanol)

    Torque

    15,6 kgfm a 2.500 rpm

    Transmissão

    Manual de 5 velocidades

  • Dimensões

    Medidas

    4,474 m de comprimento, 1,713 m de largura, 1,562 m de altura e 2,753 m de entreeixos

    Peso em ordem de marcha

    1.117 kg

    Caçamba

    580 litros

 

Nessa função, a Saveiro até compensa um dos seus pontos fracos em relação à rival direta, a Strada, e a Oroch Expression, a versão que mais se aproxima em preço. Isso porque, como só tem duas portas, seus filhos ficam mais protegidos no banco traseiro, sem risco de abrirem portas ou vidros. Claro, essa ‘vantagem’ vale para crianças pequenas apenas.

Na prática, a Saveiro tem uma proposta mais equilibrada comparada às duas concorrentes. Ela é a mais econômica delas, mas sem ser lenta – a aceleração de 0 a 100 km/h é feita em 10,9 segundos com etanol, 1,2 a mais que a Strada, mas 2,3 segundos mais veloz que a Oroch.

Entre os equipamentos de série, ela traz direção hidráulica, ar-condicionado, faróis de neblina, travas e portas com acionamento elétrico, comandos satélites no volante, que também oferece ajuste de profundidade e altura, inexistente nas outras duas. Ela também é a única a ter freios a disco nas rodas traseiras além de poder ser equipada com central multimídia como opcional – na Strada é um acessório e na Oroch só existe em versões superiores.

 
 
Volkswagen Saveiro 2017
 
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
 
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
 
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
 
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
 
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
 
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
 
Volkswagen Saveiro 2017
Volkswagen Saveiro 2017
 
 

Espaço versus altura

A vantagem natural da Oroch está no porte maior e no espaço interno. Ela tem uma cabine mais ampla que a Saveiro (a Strada é bem menor). Na capacidade de carga, o modelo da Volks leva 623 kg contra 650 kg das rivais – a Oroch vem com rodas de liga aro 16 enquanto as outras duas usam rodas de aço menores. Em compensação, ela possui um sistema de amortecimento na tampa da caçamba que é bastante útil no dia a dia.

Dirigibilidade apurada

Mas é na hora de dirigir que a Saveiro se mostra superior. O bom conjunto mecânico significa agilidade no dia a dia sem que isso signifique gastar mais. É verdade que o motor 1.6 8V poderia ser substituído pela versão MSI, com 16 válvulas e 120 cv, mas ainda assim ele não compromete o desempenho. Guiá-la é como estar a bordo de um sedã com entreeixos alongado: a suspensão mantém um bom nível de conforto, ao contrário da Strada e da grandalhona Oroch. Aliás, a picape da Renault funciona melhor com o motor 2.0, mais apto ao seu tamanho.

Item opcional, a central multimídia que espelha smartphones é um equipamento que faz diferença e completa a boa sensação do interior renovado. O estilo externo também se mostrou acertado, causando a impressão de ser um veículo mais sofisticado, afinal são R$ 63.070 pela versão Highline, que podem beirar os R$ 64 mil com a central (R$ 820).

Se seu objetivo é ter um ‘automóvel com caçamba’, a Saveiro cabine dupla vale um test-drive.

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |