Alguns veículos da Honda costumam ter uma vida mais curta que a de seus concorrentes. Enquanto o normal é que uma geração exista por cerca de sete anos, com um facelift nesse intervalo, na marca japonesa esse período pode levar apenas cinco anos.

Por isso, o anúncio que a nova geração do Civic vá demorar seis anos para surgir, conforme disse John Mendel, vice-presidente da Honda nos Estados Unidos à revista Autoweek, não chega a ser uma tragédia.

No Brasil, por exemplo, o Civic mudou em intervalos ligeiramente maiores. A geração atual foi lançada em 2006, pouco mais de cinco anos depois da geração anterior, do final de 2000. Com isso, o sucessor do atual e bem-sucedido sedã deverá pintar por aqui apenas em 2012.

Já nos Estados Unidos isso deve ocorrer no ano que vem quando o que se imaginava antes era neste mesmo ano. A justificativa da Honda é que o mercado mudou e as exigências para o segmento também, sobretudo em economia de combustível e emissões de poluentes.

Conforme havíamos adiantado aqui, a Honda pretende fazer do Civic um carro com interior mais espaçoso, mas com dimensões iguais ou até menores que as da geração atual. O difícil mesmo será acertar a mão num projeto tão atraente que este que está à venda.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/