A General Motors anunciou que não precisará mais de recursos públicos para reestruturar a Opel e a Vauxhall, suas subsidiárias européias. A montadora teve um pedido de € 1,1 bilhão em empréstimos negado pelo governo alemão, e agora recusa a oferta de € 660 milhões do Reino Unido e da Espanha.

A montadora norte-americana alega que não pode esperar que os demais governos europeus decidam se vão ou não emprestar-lhe dinheiro, e que hoje tem condições de investir em suas marcas. “Dada a necessidade de progredir rapidamente com o plano, foi decidido financiar as necessidades internamente. A recente melhora da capacidade financeira da GM foi também um catalisador para esta decisão. Agradecemos o apoio dos governos, especialmente do Reino Unido e da Espanha, mas temos de seguir em frente”, encerra o assunto Nick Reilly, CEO da Opel.

 

Rodrigo Mora

|