A maior aposta da Audi em sua história passa a virar realidade nesta sexta-feira, dia 27. A marca premium alemã, de propriedade da Volkswagen, começará a vender, primeiramente na Alemanha e em alguns países vizinhos, o A1, um compacto equipado com diversos recursos tecnológicos que prometem elevar seu volume de vendas a níveis nunca antes atingidos.

Do tamanho de um Gol, o A1 é um hatch de 2 portas pensado para o uso urbano. Mas, ao contrário das rivais BMW e Fiat, que criaram produtos inspirados em modelos famosos – o Mini e o 500, respectivamente -, a Audi optou por desenhar um carro convencional, com linhas semelhantes às de outros veículos de seu portfólio.

Apesar do porte modesto, o A1 oferecerá desempenho à altura, com motores 1.2 e 1.4 equipados com turbo e injeção direta de combustível, uma solução hoje imitada por grande parte da indústria. Terá também sistema Start-Stop, que desliga o motor em situações como grandes engarrafamentos, além de transmissão de dupla embreagem, outro trunfo tecnológico da marca alemã.

Para se ter uma ideia do impacto que o modelo terá nas vendas da Audi basta dizer que sozinho ele representará quase 20% do volume total de produção do grupo, assim que a fábrica da marca na Bélgica estiver trabalhando com sua força máxima.

Embaixador Justin Timberlake

Com o A1, a Audi mira, sobretudo, no público jovem, hoje sem nenhuma opção em sua gama. Para atrair essa clientela, a montadora oferecerá diversas personalizações no modelo possibilitando a criação de até 800 versões diferentes de exterior.

A preocupação nesse sentido é tão grande que a Audi investiu pesado na contratação de ícones pop como a banda Torpedo – responsável pela exclusiva música tema do carro “An Invention” (Uma Invenção) – e o cantor Justin Timberlake, que se transformou numa espécie de embaixador da marca.

Em 2011, o A1 desembarcará em vários outros mercados como o brasileiro. Aqui, o modelo fará sua estreia no Salão do Automóvel de São Paulo, em novembro. Mas, diferentemente da Europa, o carrinho terá uma tarefa mais difícil em nosso mercado. Isso porque seu preço, estimado em R$ 90.000, será bem superior ao valor mais em conta cobrado no velho continente – 15.800 euros ou cerca de R$ 35.000.

A Audi brasileira venderá apenas o modelo topo de linha numa primeira fase e especula-se que uma versão com motor flex esteja nos planos da montadora, ávida por retomar a participação de mercado dos tempos do A3 nacional.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/