O Latin NCAP divulgou nesta quarta-feira (8) mais uma bateria de testes com modelos vendidos no mercado da região e, infelizmente, os resultados não foram nada bons.

O Peugeot 208 fabricado no Brasil, que já havia sido avaliado em 2014, dessa vez passou pela nova metodologia de testes do órgão, que além do impacto frontal agora passou a considerar na média final o comportamento dos veículos em caso de impacto lateral. Com isso, o hatch recebeu apenas duas estrelas para a proteção de ocupante adulto e três estrelas no que diz respeito a proteção de crianças.

“Existem alguns importadores locais da Peugeot que oferecem o 208 fabricado na França com melhores níveis de segurança. Isso demonstra que os importadores têm a oportunidade de ajudar a melhorar os níveis de segurança proporcionados na região, sem ter que esperar a que a marca tome decisões a respeito, ou que o governo local adote melhores normativas de segurança veicular”, declarou María Fernanda Rodríguez, presidente do Latin NCAP.

Ainda de acordo com o relatório do Latin NCAP, “os reforços das portas foram removidos dos reforços estruturais para a proteção lateral, explicando a alta penetração e a proteção da pelve, em comparação com a versão europeia do modelo. Este é o resultado da fraca proteção da cabeça e do peito”. O dado, como é possível notar, é alarmante e deixa claro como o projeto do modelo fabricado no Brasil é inferior ao europeu.

Confira abaixo o vídeo com o teste de impacto do Peugeot 208 nacional:

Outro modelo avaliado pelo Latin NCAP foi o Kia Picanto, oferecido no Brasil e também comercializado com o nome Morning em alguns mercados da região. O subcompacto é o primeiro modelo avaliado da marca sul-coreana no país.

O Picanto obteve uma avaliação péssima, com nenhuma estrela para o passageiro adulto e apenas uma estrela para o passageiro infantil. Vale destacar, contudo, que o Picanto avaliado foi uma versão sem airbags. No Brasil, por força de lei, todos os carros contam com airbag duplo e ABS de série.

De qualquer forma, o relatório final aponta problemas estruturais. “A falta de airbags explica o resultado fraco no teste apesar de a estrutura ter sido catalogada como estável. A baixa pontuação para a proteção do ocupante infantil é determinada pelas leituras elevadas nos dummies (bonecos) durante o teste de colisão, a falta de cintos de segurança de três pontos em todas as posições e instruções erradas por parte do manual de instruções para a instalação dos Sistemas de Retenção Infantil (SRI)”, destaca o comunicado do Latin NCAP.

Confira abaixo o vídeo mostrando o teste de impacto do Kia Picanto:

“O Latin NCAP está decepcionado ao comprovar que a Kia, um fabricante global de veículos, oferece um modelo de sucesso, como o Picanto, com um desempenho tão baixo em segurança. Enquanto em alguns mercados o modelo é fabricado com melhor equipamento de segurança, o fabricante decidiu não patrocinar o teste da versão com dois airbags para oferecer, assim, os mesmos níveis de segurança a todos os consumidores da região, sem importar onde eles morem”, comenta Alejandro Furas, secretário geral do Latin NCAP.

“Com uma perspectiva mais global, o Renault Kwid, recentemente lançado na Índia e avaliado pelo Global NCAP, demonstrou que os fabricantes de veículos, que produzem as últimas e mais desenvolvidas plataformas, continuam a adaptá-las em economias emergentes, removendo partes estruturais básicas de segurança”, acrescenta Furas.

César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |