Há quem esteja mais atrasado que nós em relação aos lançamentos mundiais. Após 25 anos, a primeira geração do Golf foi, enfim, substituída na África do Sul. A Volkswagen escolheu o Polo para suceder seu modelo de entrada por lá, e a ele deu o sobrenome Vivo.

Visualmente, o Polo Vivo é uma mistura da nova geração do modelo com a anterior, justamente a que roda no Brasil – para-choques e grade frontal vieram do novo Polo, enquanto o resto é do “antigo”. Os motores disponíveis no modelo sul-africano são dois 1.4 litro, de 74cv e 85cv, e outro 1.6 litro, de 103cv. Todos estão ligados a uma transmissão manual de cinco velocidades. No ano que vem, chega a eles um câmbio automático.

Na África do Sul, o Polo Vivo parte de US$13.500, enquanto o modelo topo de linha alcança US$20.000. Lá, seu principal concorrente será o Renault Sandero, além do Ford Figo, ainda a ser lançado naquele mercado. Segundo a Volkswagen da África do Sul, o Polo Vivo foi criado para prover “acessível mobilidade” aos consumidores sul-africanos, e seu sobrenome remete a uma “imagem vibrante e positiva”, além de ser facilmente pronunciado.

Rodrigo Mora

|