Todo ano é a mesma coisa: há estreantes e os “atores” que deixam o palco. Em 2009 esse movimento foi especificamente intenso graças ao melhor ano da história do setor com mais de três milhões de veículos vendidos.

No entanto, passados doze meses mal lembramos quais foram os nascimentos e mortes do ano passado. Vamos refrescar a memória agora:

1º Honda City – 14 631 unidades

O sedã compacto, mas com preço de médio, foi o estreante que mais vendeu em 2009 em parte porque teve seis meses para acumular um bom volume de emplacamentos. Pena para a Honda que à medida que ele subia o Civic, seu outro sedã, caía.

2º Chevrolet Agile – 14 394 unidades

Em média mensal, o Chevrolet foi o mais vendido entre os novos. Se contarmos somente os três primeiros meses de vendas, ele emplacou quase 4 800 carros por mês. Há de se considerar também que o Agile é o carro mais barato dos principais estreantes.

3º Hyundai i30 – 13 353 unidades

A grande surpresa do ano, sem dúvida. Como já foi dito várias vezes, o coreano vendeu muito mesmo não trazendo motor flex e ter passado quase todo o ano com estoque apenas de versões com câmbio automático. Se mantiver a demanda, o i30 quebrará uma tradição ao roubar o 1º posto do Astra, da Chevrolet, entre os hatches médios.

4º Citroën C4 Hatch – 9 415 unidades

A esperança era grande para a Citroën, mas a versão hatch do C4 começou sua carreira devagar – até mesmo o francêss C4 VTR deixou de ser vendido para não atrapalhar a estratégia do cinco portas. No final do ano o modelo ganhou força, mas terminou atrás dos seus rivais diretos Focus e i30.

5º Renault Symbol – 6 442 unidades

Certamente não era o que a Renault esperava do Symbol, um Clio Sedan reformulado para passar uma impressão de compacto premium. Produzido na Argentina, o sedã é visão rara nas ruas.

6º Nissan Livina – 6 112 unidades

Comparado ao seu segmento, o Livina realmente não chegou a ser um incômodo para seus rivais, mas para a Nissan o produto nacional elevou suas vendas em 2009 em um terço.

7º Kia Soul – 2 009 unidades

Se até pouco tempo atrás o problema da Kia era encontrar compradores para seus modelos pouco atraentes agora a situação se inverteu, mas não necessariamente para melhor. O Soul é um belo exemplo disso. Diferenciado e jovem, o crossover urbano superou as expectativas mais otimistas e em poucas semanas esgotou. Mas a Kia não teve como dar conta do recado porque não há produção suficiente. Por isso apenas 2 mil unidades chegaram ao mercado.

Quem deu adeus em 2009

Com a chegada do Symbol, a Renault optou por descontinuar o sem graça Clio Sedan. Ao contrário do hatch, que mantém um bom volume graças à versão Campus, o sedã mal beirava 300 unidades mensais. Por falar em Renault, os importados Grand Scénic Mégane CC também nos deixaram já que pararam de ser produzidos na França para dar lugar à geração 3.

O exótico C4 VTR, da Citroën, foi outro que deixou de atravessar o Atlântico assim que o C4 hatch foi lançado, no início do ano. Já a Mitsubishi esgotou o estoque do Airtrek que saiu de linha no exterior e foi substituído pelo Outlander. Mas seus faróis “vivem” no novo TR4.

E o Tracker, a versão da Chevrolet do Grand Vitara antigo, deixou de ser produzida na Argentina no meio do ano, uma morte meio que anunciada há algum tempo. Entre os carros em estado de coma temos o 206, da Peugeot, que já não é mais produzido. Por fim, o sedã Omega desapareceu das lojas no último trimestre, mas a GM garante que ele ressuscitará em 2010. Será um milagre?

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/