Os carros populares reinaram no Brasil por vários anos até que o cliente evoluiu, o conteúdo se ampliou e novos concorrentes desembarcaram no país. Se antes respondiam por metade das vendas gerais, os carros de entrada hoje representam apenas 33,8% do mercado, porém, boa parte deles é de modelos com motores mais modernos e itens de série mais numerosos. Ou seja, custam beirando os R$ 40 mil.

Mesmo assim, não há como desprezar hoje um consumidor que passou a optar por carros seminovos e que tem dificuldade com o crédito difícil. Eles ainda têm um potencial imenso num país em que a relação carro/habitante é de pelo menos 5 pessoas por veículo. E é isso que Renault e Fiat devem buscar no ano que vem com seus projetos Kwid e X1H, hatches populares de custo baixo e de manutenção acessível.

SUV miniatura

A solução da Renault para ocupar o lugar do já cansado Clio virá da Índia, um projeto desenvolvido no país especialmente para mercados emergentes. Chamado Kwid, ele tem uma proposta de design que deverá ajudar bem em sua aceitação por aqui. Ele lembra um “SUV em miniatura” graças ao seu formato mais robusto e a boa altura livre em relação ao solo, no caso de 18 cm.

Com 3,68 m de comprimento e 1,58 m de largura, o Kwid tem porte semelhante ao do up! (3,60 m e 1,64 m), sendo que o grande apelo do Renault vai para a posição de dirigir mais elevada. Vale destacar que esse é um dos atributos que colabora muito para o sucesso dos SUVs no mercado global.

 
 
Renault Kwid Renault Kwid
Renault Kwid Renault Kwid
Renault Kwid Renault Kwid
Renault Kwid Renault Kwid
Renault Kwid Renault Kwid
Renault Kwid Renault Kwid
Renault Kwid Renault Kwid
Renault Kwid Renault Kwid
Renault Kwid Renault Kwid
Renault Kwid Renault Kwid
Renault Kwid Renault Kwid
 
 

Com a central multimídia Media NAV no centro do painel e instrumentos digitais, a Renault mostra-se alinhada às demandas cada vez maior por parte dos consumidores de carros mais conectados. Além disso, ela promete entregar um bom padrão de acabamento para o interior do Kwid, apostando em elementos “black piano” e elementos cromados.

Por aqui, o Renault Kwid deverá usar o mesmo motor 1.0 com 3 cilindros que já equipa os Nissan March e Versa e ele deverá ser uma das estrelas da marca francesa para o Salão de São Paulo em 2016. Na mesma época da mostra paulista, a Fiat deverá colocar nas ruas a versão final do que até então é conhecido como projeto X1H.

"New Mille"

Espécie de ‘new Mille’, a versão popular do Uno que fez sucesso na década de 90, ele será a resposta da italiana para a invasão de novos compactos, um segmento onde a Fiat sempre teve boa presença. O X1H é cotado para substituir o Palio Fire, porém, as especulações dão conta que os dois produtos conviverão algum tempo junto.

Seu visual deverá remeter a um aspecto de robustez com o Renault Kwid, mas sem investir em uma altura em relação ao solo mais elevada. Já para cortar custos, sua estrutura vai contar com alguns elementos emprestados do Uno, inclusive o estilo quadrado da carroceria. Pelo menos até as portas dianteiras, grande parte da arquitetura é a mesma do Uno, com as principais novidades surgindo do meio para trás do carro.

O modelo ainda não deverá estrear o novo motor 1.0 tricilíndrico da Fiat, algo que deverá ficar para 2017. Pelo menos na época do lançamento, o X1H ainda será equipado com o mesmo 1.0 Fire da gama atual da marca.

O preço básico do X1H é esperado para não ultrapassar a faixa dos R$ 30.000, assim como seu porte será o menor de toda a gama, portanto inferior aos 3,81 m do Uno e 3,82 m do Palio Fire. Como o lançamento da Toro, que estava previsto para este ano, ficará para o início de 2016, é bem difícil que a Fiat “queime” duas oportunidades importantes e segure a estreia do X1H para o segundo semestre.

Logo, se você quer comprar um carro barato e bom para o uso urbano, vale a pena esperar a chegada do próximo ano!  

Redação

Redação |