Ele nem bem chegou ao Brasil (ele deve estrear mais ou menos até o Salão de São Paulo, em novembro) e o Renault Kwid já está dando o que falar nos mercados onde é comercializado, em especial na Índia. A bola da vez é uma evolução que a Renault pretende apresentar em breve para sua plataforma modular CMF-A.

Chamada de CMF-A+, ela permitirá acomodar estilos de carroceria maiores, assim como motores de deslocamento superior em relação aos oferecidos no Kwid atual, como o de apenas 800 cm³.

Logo, alguns rumores dão conta de que a Renault trabalha em um sedã e um SUV compacto, tratado internamente como projeto HBC, derivados do Kwid e seguindo seu estilo visual. Esse futuro sedã deverá atuar em um segmento abaixo do Renault Logan, sendo uma alternativa de três volumes de baixo custo, uma proposta semelhante a do Chevrolet Classic.

Já o futuro SUV, por sua vez, ficará posicionado abaixo do Duster e não ultrapasse os 4 metros de comprimento. Caso a Renault decida oferecê-lo por aqui, seria um modelo bem interessante para entrar na disputa contra os bem-sucedidos “aventureiros”, um estilo tipicamente brasileiro e que faz sucesso com Vokswagen CrossFox, Hyundai HB20X e a linha Adventure da Fiat. O conceito Kwid Climber, que você confere no início do texto, nos dá sinais de como o modelo definitivo poderá ficar. 

Vale destacar que o Renault Kwid brasileiro será um pouco mais “nobre” do que o indiano. Algumas unidades já foram flagradas rodando na Argentina e mostram evoluções nos plásticos utilizados tanto em acabamento da carroceria como na parte interna. A coluna C, por exemplo, que fica entre a tampa do porta-malas e a porta traseira, contará com um detalhe mesclando uma peça plástica e um adesivo preto para criar a ideia do “teto flutuante”, um “requinte” que não está presente no Kwid indiano. 

César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |