Duas novidades do segmento de SUVs compactos no Brasil tiveram os dados de consumo e emissões de poluentes recentemente divulgados pelo ranking de eficiência energética do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV), do Inmetro. Uma delas é o recém-lançado Jeep Renegade e o outro é novo Renault Duster, que será apresentado à imprensa na próxima terça-feira (31).

Para entendermos como funciona o PBEV, vale lembrar que ele é aplicado de forma voluntária aos veículos leves movidos a gasolina, etanol ou GNV de fábrica. As montadoras que participam do programa são responsáveis pelos testes, realizados com o acompanhamento do Inmetro. As notas variam de A (para o melhor desempenho) a E (para o pior desempenho) e os veículos são comparados dentro de suas categorias e também de maneira geral.

O jipinho Renegade é oferecido com duas versões de motorização (1.8 flex e 2.0 turbodiesel) e três tipos de transmissões, porém, só o modelo de entrada teve o consumo medido pelo PBEV. Trata-se da versão Sport, com motor 1.8 flex, de até 132 cv de potência (com etanol) acoplado a um câmbio manual de cinco marchas, vendido por R$ 69.900.

A versão foi classificada com a nota B na Comparação Relativa da Categoria e nota C na Comparação Absoluta Geral. De acordo com as medições do programa, quando abastecido com Etanol, o Renegade faz 6,7 km/l em percurso urbano e 7,4 km/l em regime rodoviário. Com gasolina, as médias subiram para 9,6 km/l na cidade e 10,7 km/l na estrada. Quanto às emissões, o SUV foi avaliado apenas com gasolina: 133 gramas de dióxido de carbono expelidas a cada quilômetro rodado.

Nota A

Já o “jipinho” da Renault, que chega ao mercado com visual repaginado mas mantém as configurações mecânicas, teve as medições realizadas nas quatro versões avaliadas. As equipadas com transmissão manual, tanto com bloco 1.6 quanto com o propulsor de 2.0 litros, tiveram nota A na Comparação Relativa da Categoria e nota C na Comparação Absoluta Geral, segundo o PBEV. Enquanto a versão 2.0 equipada com câmbio automático de quatro marchas na versão Dynamique, tirou nota B na comparação com modelos da mesma categoria e D na comparação geral.

Registrado como “Novo Duster” na tabela do Inmetro, o francês quando equipado com motor 1.6 de 16 válvulas, que desenvolve 110/115 cv de potência (gasolina/etanol), acoplado a um câmbio manual de cinco marchas roda 6,8 km/l na cidade e 7,3 km/l na estrada com etanol. Com gasolina, ele faz 9,6 km/l em trecho urbano e 10,6 km/l em percurso rodoviário. Praticamente a mesma marca que a Jeep conseguiu com seu Renegade 1.8.

Quando o Duster é equipado com motor 2.0, que gera 138/142 cv de potência (gasolina/etanol), o consumo muda de acordo com o tipo de transmissão. Com a transmissão automática de quatro velocidades, ele marcou 5,6 km/l na cidade e 7,0 km/l na estrada quando abastecido com etanol. Já com gasolina, o consumo foi de 8,1 km/l na cidade e 10,1 km/l na estrada.

A mesma motorização, porém, acoplada a um câmbio manual de seis marchas, fez o novo Duster rodar 6,4 km/l na cidade e 7,4 km/l na estrada (etanol). Na gasolina, o modelo rodou 9,1 km/l e 10,8 km/l (cidade/estrada).

Essa mesma versão pode vir equipada com tração 4x4, cuja medição registrou 6,2 km/l em percurso urbano e 7,1 km/l na estrada com etanol. Abastecido com gasolina, as médias foram 9,1 km/l na cidade e 10,3 km/l na estrada.
 

Karina Simões

Karina Simões |