Na avalanche de jipinhos de nascença não é preciso gastar tanto para ter uma posição de dirigir elevada, bom espaço interno, desempenho dentro do esperado e um visual aventureiro. Se você não faz questão de gastar pelo menos R$ 70 mil num desses SUVs como o Peugeot 2008 de entrada seu primo, o Aircross, pode ser uma boa opção.

Custando a partir de R$ 50,5 mil na versão Start 1.5 manual, a minivan da Citroën agrada não só pelo visual atraente introduzido no ano passado como por fazer bem o papel de carro familiar, com bom espaço para os ocupantes e porta-malas respeitável, com 403 litros de capacidade.

A versão avaliada pelo AUTOO é a Live 1.5 manual que, com a adição da central multimídia de 7 polegadas, sair por R$ 56,9 mil na cor branca. Ou seja, bem mais em conta que os SUVs compactos vendidos no país.

Ex-Picasso

Claro que o Aircross de entrada não se equipara em motorização aos tais jipinhos que oferecem propulsores mais capazes, mas a versão 1.5 com 93 cv de potência (etanol) funciona bem na cidade. Nota A do Inmetro, ele é capaz de rodar 13,4 km com um litro de gasolina ou 9,7 km com um litro de etanol na cidade, mas não conseguimos chegar perto dessa marca durante a semana em que o testamos – percurso 100% urbano, é bom lembrar.

A vantagem da versão 1.5 é, na verdade, o preço mais em conta que o Aircross 1.6, o “original”. Para quem não sabe, o C3 Picasso foi transformado num Aircross mais simples, sem o estepe externo e itens mais sofisticados, mantidos no modelo original.

 
 
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
Citroën Aircross 2016
Citroën Aircross 2016
 
 

Nada que você vá reclamar tanto. A versão Live tem ar-condicionado manual, direção elétrica, vidros também elétricos e um bom acabamento com desenhos dos bancos e painéis bastante modernos e agradáveis.

Um passo atrás do 2008

Dirigir o Aircross ainda significa conviver com alguns cacoetes que o grupo PSA mantém vivos. Um deles é a direção elétrica com “vida própria”. Ela tem um balanceamento um pouco artificial, coisa que a Peugeot soube acertar no 2008. Muitos elementos também já deram como o comando satélite do rádio ou o câmbio manual de engates um tanto desconfortáveis.

Mas o Aircross também evoluiu, seja no painel de instrumentos de boa visibilidade, nas soluções práticas do design atual, desenvolvido no Brasil, ou na central multimídia que espelha smartphones com CarPlay e Android Auto – opcional que custa R$ 1.500.

Da central, apenas uma observação. Sabe-se lá a razão, mas a Citroën suprimiu o botão de ligar e desligar o sistema. Isso significa ter que apelar para uma solução ruim para silenciá-lo: é preciso apertar dois botões de volume do comando satélite ao mesmo tempo, acredite.

 

 

Citroën Aircross Live 1.5 2016

  • Resumo

    Preço

    R$ 56.890 (com central multimídia)

    Categoria

    Minivan compacta aventureira

    Rivais

    VW CrossFox, Renault Sandero Stepway, Hyundai HB20X

    Vendas em 2016

    2.096 unidades (jan-abr)

  • Mecânica

    Motor

    1.5 8V flex

    Potência

    93 cv a 5.500 rpm (etanol)

    Torque

    14,2 kgfm a 3.000 rpm

    Transmissão

    Manual de 5 velocidades

  • Dimensões

    Medidas

    4,097 m de comprimento, 1,767 m de largura, 1,694 m de altura e 2,542 m de entreeixos

    Peso em ordem de marcha

    1.229 kg

    Porta-malas

    403 litros

 

 

Dirigir o Aircross, mesmo com a direção devendo, é uma tarefa descomplicada. A relação de marchas é adequada, o motor segura as pontas e a ótima visibilidade ajuda – há câmera de ré na hora de estacionar também.

Até a suspensão, um ponto sempre criticado na Citroën, está melhor ajustada e silenciosa, embora não empolgue.

Mirando nos hatches aventureiros

A grande sacada da Citroën com o novo Aircross, sobretudo o 1.5, é disputar espaço com os hatches aventureiros como o CrossFox, Sandero Stepway e HB20X, modelos que custam praticamente o mesmo (se não forem mais caros) para trazer bem menos espaço e posição apenas levemente mais alta.

Se está dando certo? A Citroën diz que sim. As vendas realmente dobraram em relação ao ano passado e agora giram em torno de 600 unidades por mês. Ainda é pouco pelo potencial de clientes desses segmentos aventureiros, mas para a marca francesa está de bom tamanho.

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |