A divisão brasileira da Renault em parceria com a ‘Renault Sport’, o departamento esportivo e de automobilismo da fabricante francesa, criou um produto para o mercado nacional que vai deixar muito europeu com inveja. As concessionárias da marca recebem neste mês as primeiras unidades do Sandero R.S., um compacto esportivo de verdade.

Primo brasileiro dos refinados Clio R.S. e Mégane R.S., o Sandero de sangue quente mantém o crédito da família com um conjunto mecânico e um comportamento fora do comum nessa categoria, especialmente entre os modelos de fabricação nacional, mais voltados ao visual e sem mudanças técnicas.

A fera francesa fabricada no Paraná foi preparada pela Renault Sport e se tornou praticamente um novo carro em relação ao Sandero “careta”. Nessa versão, o carro tem motor 2.0 aspirado flex de até 150 cv e 20,9 kgfm de torque quando abastecido com etanol. O câmbio é manual de seis marchas, com relações curtas que mantém o veículo a todo momento preparado para acelerar com força. E como acelera!

 
 
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
Renault Sandero R.S. Renault Sandero R.S.
 
 

Segundo dados da fabricante, o Sandero R.S. vai do 0 aos 100 em oito segundos e continua acelerando até alcançar a velocidade máxima de 202 km/h. O veículo ainda possui suspensão mais rígida (muito mais que a do Sandero convencional) e freios a disco nas quatro rodas (o Sandero normal possui discos apenas na frente) com controle ESP e ABS. É, portanto, o mais rápido e avançado Sandero já construído.

Carro de gente grande

O Sandero R.S. pode ser um carro complicado de dirigir para motorista com pouca experiência, principalmente por causa do câmbio. A alavanca da transmissão, com trocas estreitas, requer prática para manusear de forma mais agressiva e um movimento errado em giro alto do motor pode causar sérios danos mecânicos. Já quem é “piloto” vai se deliciar.

Mesmo aspirado, o motor 2.0 do Sandero R.S. rende força o bastante para levar o motorista a passeio radicais. Por conta das relações curtas da transmissão, o propulsor sempre está “cheio”, pronto para disparar. Esse comportamento ainda pode ser acentuado com os modos de condução Sport e Sport +, que alteram as respostas do conjunto mecânico para gerar maior desempenho e, na segunda opção, desliga o controle eletrônico de estabilidade.

A Renault também trabalhou com afinco na relação do Sandero com o “chão”... Suspensão, pneus e freios são totalmente diferente dos usados do modelo convencional. Na série R.S., esses componentes contribuem para tornar o carro ainda mais esportivo. A suspensão é firme, ideal para frenagens fortes e curvas em velocidade, e os pneus de alta performance melhoram a estabilidade e o grip, sobretudo para quem gosta andar em autodromos.

 

Renault Sandero R.S. 2.0 2016

  • Resumo

    Preço

    R$ 58.990

    Categoria

    hatch compacto

    Rivais

    Hyundai HB20 R-Spec, Ford Fiesta Sport

    Vendas em 2015

    não disponível

  • Mecânica

    Motor

    2.0 flex

    Potência

    150 cv a 5.750 rpm

    Torque

    20,9 kgfm a 4.000 rpm

    Transmissão

    Manual de 6 velocidades

  • Dimensões

    Medidas

    4,068 m de comprimento, 1,73 m de largura, 1,5 m de altura e 2,59 m de entreeixos

    Peso

    1.161 kg

    Porta-malas

    320 litros

 

Interior não, cockpit!

A Renault realmente caprichou no interior do Sandero esportivo. Ao abrir as portas, motoristas e passageiros são brindados com um par de bancos concha, com largas abas laterais. O volante com o símbolo da divisão esportiva é o mesmo do Clio R.S. e o modelo sai de fábrica equipado com o sistema de entretenimento Media Nav, com GPS e conexões USB e Bluetooth.

Aliado ao acabamento esportivo, o Sandero R.S. ainda tem o espaço interno avantajado, um dos maiores da categoria ao lado do Hyuinda HB20, e o porta-malas de 320 litros, o maior entre os compactos.

O acabamento esportivo externo vai além do visual e tem função prática. O defletor na traseira gera mais de 20 kg de downforce com o carro a 150 km/h, aumentando a estabilidade, e o spoiler dianteiro, mais próximo do chão, ajuda o carro a “furar” o ar de forma mais eficiente, conseguindo mais velocidade com menor consumo.

A parte frontal do carro também é cheia de estilo, com a marca da Renault acompanhada do logo R.S. Essa versão ainda possui faróis de LEDs na parte inferior do para-choque e na traseira os canos de escapamento ficam no centro.

Falando em consumo de combustível: a Renault não divulgou os números exatos de consumo do hatch, mas ao julgar pelos resultados mostrados pelo computador de bordo durante o test-drive é possível afirmar que o apetite do carro é voraz, especialmente para quem tem o pé mais pesado.

Para quem pode se dar ao luxo de ignorar os altos preços dos combustíveis e quer um carro divertido por um valor relativamente acessível, o Sandero R.S. pode ser uma ótima escolha. O “brinquedinho” da Renault tem preço inicial de R$ 58.990 e seu único item opcional são as rodas aro 17”, por mais R$ 1.000, belíssimas por sinal. Dificilmente um carro vai sair das lojas sem elas...

Thiago Vinholes |