A partir de agora, ao avistar no retrovisor um carro com quatro LEDs no farol, não pense duas vezes antes de dar passagem. A Bugatti revelou nesta semana o novo Chiron, inédito superesportivo que chega para substituir o Veyron, que chama atenção logo de cara pelo visual moderno (com forte inspiração no conceito Vision Gran Turismo) e, obviamente, pelo conjunto mecânico que impõe um baita repeito.

O novo Bugatti Chiron nada tem a ver com seu antecessor, com exceção de alguns componentes. No visual, além dos faróis com blocos de LED, o superesportivo traz a tradicional grade vertical da marca, vincos marcantes no capô e um arco na lateral, que dá ao modelo uma pintura em dois tons, além das lanternas formadas por uma barra horizontal de LED e o enorme aerofólio. Há ainda rodas de 20 polegadas na dianteira e 21 polegadas na traseira.

Já o interior não abusa das formas e opta pelo minimalismo. Há como destaque o volante com o botão de partida do motor e o seletor dos modos de condução, acabamento em couro, fibra de carbono e alumínio, arco central iluminado e console central com comandos do ar-condicionado, além do painel de instrumentos digital com o sistema multimídia e o navegador GPS.

Em relação ao Veyron, o novo Chiron está 82 mm mais longo (4.544 mm), 40 mm mais largo (2.038 mm) e 53 mm mais alto (1.212 mm), enquanto a distância entre-eixos sofreu aumento de 1 mm (2.711 mm). Por conta disso, o espaço para os ocupantes ficou maior, com 12 mm a mais na altura. O peso, por sua vez, subiu 155 kg, chegando a 1.995 kg.

Na motorização, há uma nova versão do motor W16 (dezesseis cilindros em “W”) quad-turbo de 8.0 litros a gasolina usado no bólido antigo, agora capaz de desenvolver nada mais, nada menos que 1.500 cavalos de potência, a 6.700 rpm, e pesados 163,1 kgfm de torque, entre 2.000 e 6.000 giros. Entre as mudanças, há um novo coletor de admissão em fibra de carbono, sistema de injeção com 32 injetores individuais, turbocompressores maiores e mais poderosos, intercooler revisto e um novo sistema de escape de titânio com seis catalisadores.

Acoplado a um câmbio automatizado de sete marchas e dupla embreagem, além de tração nas quatro rodas (com diferencial controlado eletronicamente com função de vetorização), este propulsor consegue levar o Bugatti de 0 a 100 km/h em menos de 2,5 segundos, de 0 a 200 km/h em menos de 6,5 s e de 0 a 300 km/h em menos de 13,6 s. A velocidade é limitada a 420 km/h.

Outros destaques incluem chassi de fibra de carbono, freios de carbono-cerâmica com pinças de oito pistões na dianteira e seis pistões na traseira, sistema de suspensão adaptativa, pneus Michelin 285/30 R20 e 355/25 R21 que são “mais fáceis de instalar e permitem menores despesas operacionais” e cinco modos de pilotagem: Lift, Auto, Autobahn, Handling e Top Speed.

O novo Bugatti Chiron será apresentado no Salão de Genebra e deve começar a chegar às ruas em outubro. Serão produzidas 500 unidades do modelo, sendo que 150 já foram encomendadas, na planta de Mosheim, na França. Cada exemplar custa “apenas” US$ 2,61 milhões, o equivalente a R$ 10,3 milhões numa conversão direta. 

 
 
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
Bugatti Chiron 2017
Bugatti Chiron 2017
 
 
Leonardo Andrade

Leonardo Andrade |