Antes mesmo de a Suzuki anunciar sua volta ao Brasil, o pequeno crossover SX4 já era surpreendido rodando na cidade de São Paulo. Na época, os novos representantes da marca japonesa analisavam quais modelos poderiam ser importados para o país.

Apesar disso, o SX4 acabou preterido no início em detrimento de veículos já conhecidos dos brasileiros, como o Grand Vitara e o Jimny. Mas nesta semana, a Suzuki decidiu trazer o primeiro modelo inédito no Brasil em muitos anos.

O SX4 é o que se pode chamar de um crossover off-road compacto. Seria um concorrente para o Soul, da Kia, mas este foi feito para rodar na cidade e só traz o visual robusto. O Suzuki, ao contrário, possui características natas de um todo-terreno.

A tração 4x4 é a principal delas é pode ser operada em três modos: 4x2, com tração dianteira, 4x4 Auto, em que o torque é distribuído de maneira inteligente para as rodas, e 4x4 reduzida para enfrentar trechos mais difíceis.

O modelo vem com uma única opção de motor, um 2.0 16V de 145 cv e 18,7 kgfm de torque. Se no Grand Vitara esse motor pareceu aquém do porte do veículo, no SX4 parece sobrar.

Kit Sport Pack

Em versão única, o SX4 oferece opção de câmbio manual de 5 marchas ou automático de 4 velocidades. Como complemento, há o Sport Pack, um kit que destaca o lado esportivo com visual diferenciado por listras no capô e nas laterais, mais ponteira cromada no escapamento, aerofólio, rodas na cor grafite e bancos de couro com duas cores.

O SX4 chega com preços de R$ 61 990 na versão manual e R$ 66 790 na automática – o Sport Pack custa R$ 4 000 e pode ser aplicado a ambas as versões. A Suzuki trouxe 60 unidades no primeiro lote, todas com o Sport Pack, mas as próximas importações virão com os modelos normais.

A meta da marca é brigar com outros crossovers e jipes, mas também com hatches médios mais equipados como o i30 e o Citroën C4 – nunca é demais lembrar que o SX4 existe em versão sedã no exterior, o que denota sua origem.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |