Se por um lado os SUVs ficaram imunes a queda nas vendas no ano passado, os hatches médios conseguiram vender menos que a média geral. O segmento, que já foi um dos mais desejados no Brasil, ‘sangra’ desde 2012 quando o governo passou a taxar os importados com 30 pontos extras de IPI. A medida atingiu em cheio o Hyundai i30, modelo que havia vendido mais de 80 mil carros nos três anos anteriores.

Desde então, o mercado de hatches definha: se em 2010 respondia por cerca de 150 mil emplacamentos hoje esse total não deve atingir 45 mil unidades em 2015, uma estupenda queda de 70%.

Não é à toa que o número de concorrentes tenha caído de 12 modelos em 2012 para apenas sete carros no ano passado. Simplesmente, hoje quase ninguém quer um hatch médio. Uma pena para a Peugeot porque enfim o 308 chegou a um patamar de conteúdo, desempenho e preço que o deixou bastante vantajoso.

Peugeot 308 Griffe 2016

  • Resumo

    Preço

    De R$ 71.490 a R$ 84.490

    Categoria

    hatch médio

    Rivais

    Ford Focus e Volkswagen Golf

    Vendas em 2015

    3.266 unidades

  • Mecânica

    Motor

    1.6 THP (versão Griffe)

    Potência

    173 cv a 6.000rpm

    Torque

    24 kgfm a 1.400rpm

    Transmissão

    Automática de 6 velocidades

  • Dimensões

    Medidas

    4,29 m de comprimento, 2,06 m de largura, 1,52 m de altura e 2,61 m de entreeixos

    Peso

    1.392 kg

    Porta-malas

    430 litros

Dupla dinâmica

O modelo ganhou um facelift caseiro no ano passado, com retoques que o deixaram mais parecido com a nova geração francesa. Além de bonito, o 308 também corrigiu alguns pontos fracos do passado como a suspensão dura, que batia seco em pisos esburacados. A Peugeot também resolveu ouvir a crítica e disponibilizar o conjunto motor 1.6 THP e transmissão automática de seis marchas por um preço condizente, deixando em segundo plano a surrada solução do motor 2.0 aspirado e câmbio de quatro marchas ainda derivados do antigo 307.

E agora o propulsor 1.6 é flex, o que faz do 308 só não mais potente que o Focus 2.0 e seu motorzão aspirado (178 cv contra 173).

Por dentro, o 308 recebeu apenas uma atualização visual, ou seja, persiste em carregar elementos já cansados como os mostradores digitais do ar-condicionado em tom laranja ou o painel de instrumentos com grafismo datado.

Central decente

Sim, o 308 ainda lembra muito o 307 de 15 anos atrás. A manopla do câmbio automático usa a mesma configuração de ‘escadinha’ para escolher o modo de condução e a direção continua a ser do tipo hidráulica (agora eletrohidráulica) enquanto seus principais rivais evoluíram para a assistência elétrica.

Ou seja, há um ar familiar ao guiar o hatch da Peugeot, mas com ganhos em eficiência e agilidade já que a direção está mais direta. No entanto, não chega a ser a sensação de novidade que existe nos irmãos menores 208 e 2008.

Luz natural

As grandes virtudes do 308 continuam a ser o espaço amplo na cabine, a maior da categoria assim como o porta-malas generoso para um hatch. Na versão Griffe, avaliada, essa sensação é mais intensa ainda graças ao enorme teto solar.

Mas não é só nisso que o Peugeot agrada. Sua lista de equipamentos de série é bem generosa. Já vem de série com ar-condicionado bi-zona, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro com câmera de ré, luzes diurnas de LEDs, bancos de couro e a central multimídia que espelha os sistemas Carplay (Apple) e Android Auto (Google).

E o xeque-mate do 308 é o preço mais em conta: custa R$ 82.990 na versão top, valor inferior o Focus da versão intermediária SE Plus (R$ 83.500) ou o Golf de entrada Comfortline (R$ 83.290). É um pouco mais caro que o Cruze LT (R$ 79.890), mas traz muito mais conteúdo, potência e tecnologia que o modelo da Chevrolet.

Inimigo interno

Em suma, o Peugeot 308 é agora um hatch mais agradável de dirigir, econômico, espaçoso, bem equipado (embora falte alguns recursos encontrados nos rivais como freio de estacionamento elétrico ou paddle-shifts no volante) e por um preço condizente cuja desvalorização é semelhante a de seus rivais produzidos por grandes marcas no Brasil.

O problema do 308 é ‘interno’: mais e mais pessoas preferem pagar o mesmo valor por um SUV como o 2008 da própria Peugeot e isso é algo que os números não conseguem convencer ao contrário.

 
 
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308: pacote ficou bom Peugeot 308: pacote ficou bom
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
Peugeot 308 2016 Peugeot 308 2016
 
 

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |