É consenso: a partir do segmento de médio porte (e mesmo entre os hatches compactos mais caros), o câmbio automático começa a tornar-se unanimidade entre os consumidores. O trânsito pesado dos grandes centros urbanos, a maior eficiência que muitos deles permitem atingir e até mesmo pelo maior nível de conforto que proporciona, o sucesso das transmissões automáticas é facilmente compreendido. Mas existe espaço para um SUV compacto moderno, como é o caso do Nissan Kicks, contar com uma versão que utiliza câmbio manual?

Segundo Juliana Fukuda, gerente de marketing da fabricante, a estratégia do Kicks de entrada é proporcionar aos consumidores a possibilidade de entrar no mundo dos cada vez mais desejados SUVs compactos. “É claro que existe um público que ainda tem preferência por carros manuais, mas a estratégia com o Kicks S manual é que ele funcione não só como uma porta de entrada para o modelo, mas também para o segmento em si. Como ele custa menos que o automático, isso é um fator decisivo”, explica a executiva.

A nova versão manual deverá responder por cerca de 10% das vendas do Kicks, em especial graças ao convidativo valor de R$ 70.500. Com isso, o Kicks S manual é um dos SUVs compactos mais baratos do segmento, já que um Ford EcoSport SE 1.6 parte de R$ 72.800, o Jeep Renegade 1.8 custa R$ 72.990 e um Hyundai Creta Attitude 1.6 exige que você gaste R$ 73.990 para estacioná-lo na garagem. Todos os valores citados são das versões com câmbio manual.

Até mesmo para deixar o preço mais convidativo, a Nissan retirou vários itens do Kicks S manual, como as rodas de liga leve. Ao menos se você quiser os importantes controles de tração e estabilidade é possível optar pelo “Pack Safety”, que eleva o preço do modelo para R$ 71.700, o que, na nossa opinião, é um excelente investimento e mesmo assim ainda deixa o preço do Kicks S manual bem cativante.

Convenhamos que não foi muito difícil para a Nissan trabalhar em seu Kicks manual, que basicamente usa o mesmo conjunto aplicado no March e Versa com a transmissão de 5 marchas. Como é comum nos carros japoneses com esse tipo de câmbio, a caixa manual oferece engates bem precisos, porém a avalanca, bem como o pedal de embreagem, poderiam ser ligeiramente mais suaves na atuação. O conjunto mostra-se mais “nobre” do que o visto no March e no Versa, com baixo nível de ruído e mantendo o bom casamento com o motor 1.6 16V.

 
 
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
Nissan Kicks 2018
Nissan Kicks 2018
 
 

Reconhecido pelo baixo peso, o Nissan Kicks tem essa característica aprimorada na versão manual. A novidade pesa bons 1.109 kg contra 1.136 kg que o Kicks pode atingir em sua versão topo de linha SL com o câmbio automático CVT. Graças a isso o Kicks consegue entregar um desempenho melhor em relação às versões CVT. Segundo testes da Nissan, o Kicks S manual precisa de 11 segundos para ir de 0 a 100 km/h, enquanto as opções automáticas levam 12 segundos na mesma prova. Ambos alcançam 175 km/h de velocidade máxima.

Outro ponto positivo é que mesmo aqueles que preferem optar pelo Kicks manual não terão o consumo de combustível sacrificado, uma vez que a caixa CVT ainda sai na frente nesse aspecto. De acordo com os padrões do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, o Kicks S manual é capaz de alcançar médias de 11,1 km/l na cidade e 13 km/l na estrada com gasolina, valores que melhoram para 11,4 e 13,7 km/l, respectivamente, para as versões automáticas do Kicks.

Pelos R$ 70.500 cobrados no Kicks S manual de entrada o modelo traz um bom pacote de equipamentos, com airbags duplos frontais, ar-condicionado, alarme, fixadores traseiros para cadeiras de crianças (ISOFIX); cinto de segurança de três pontos para todos os cinco passageiros; freios ABS com EBD, rádio MP3 player com conector USB e Bluetooth, coluna de direção com ajustes de altura e profundidade, direção com assistência elétrica e comandos do telefone e rádio.

O que não agrada na versão de entrada do Kicks, contudo, é o aspecto de simplicidade que ela toma em especial se você sai da topo de linha SL e vai para o Kicks S manual. A ausência da tela digital no painel de instrumentos, do revestimento de couro no painel e nos bancos e os painéis das portas tomados por uma peça plástica inteiriça tornam a cabine do Kicks S um tanto quanto singela demais para um SUV compacto. O rádio, apesar de bom completo em suas funções, não traz o mesmo “status” de uma central multimídia. Ao menos os elementos prateados no painel ajudam a dar um pouco mais de alegria para a cabine.

Vale a pena a compra?

Se você não vê a hora de adquirir o sonhado SUV compacto e não se importa com o câmbio, priorizando muito mais o preço antes de tudo, o Nissan Kicks S manual é a melhor escolha que você pode fazer na faixa de R$ 70.000. A nova versão do Kicks, que agora é fabricado no Brasil, não faz a mínima questão de esconder que é uma configuração de entrada, porém compartilha com as demais versões do Kicks os principais atributos do carro mais vendido da Nissan no momento: o projeto bem racional e inteligente, com foco no baixo peso; o conjunto mecânico robusto e eficiente; o bom porta-malas e a dirigibilidade elogiável.

Em termos de volume, essa deverá ser a versão menos procurada do Kicks, cenário que ocorre também para os concorrentes em suas versões manuais, porém a Nissan conta com um bom representante nesse nicho da categoria. Na hora da revenda, seguramente um Kicks manual terá menos liquidez do que um automático, logo é bom estar atento para esse fato. De qualquer forma, dentro do segmento também contam a favor do Kicks o menor custo de revisões e peças de reparabilidade, bem como os dois anos de cobertura para panes. Logo, se a ideia é economizar na hora da compra para estacionar um SUV compacto na vaga de casa, vale a pena optar pelo Nissan Kicks S manual.

Ficha técnica

Nissan Kicks 2018 S 1.6 16V flex manual 4p
Preço R$ 70.500 (06/2017)
Categoria SUV compacto
Vendas em 2017 12.766 unidades
Motor 4 cilindros, 1598 cm³
Potência 114 cv a 5600 rpm (gasolina)
Torque 15,5 kgfm a 4000 rpm
Dimensões Comprimento 4,295 m, largura 1,76 m, altura 1,59 m, entreeixos 2,61 m
Peso em ordem de marcha 1109 kg
Tanque de combustível 41 litros
Porta-malas 432 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |