Um júri de Nova York inocenta a Toyota por um acidente causado em outubro de 2005, com um sedã Scion TC (marca pertencente à japonesa). Na avaliação da corte, a batida numa ávore foi responsabilidade do condutor, o médico Amir Sitafalwalla.

O advogado da Toyota alega que Sitafalwalla “cometeu um simples, mas infeliz erro”. O júri entendeu que não haveria como, diante de testes gravados pela Toyota, o acidente ser causado pelo tapete do carro, que teria travado o acelerador. Indeciso, Sitafalwalla argumentava que o acidente fora causado ou pelo sistema eletrônico do acelerador, ou pelo tapete.

Apesar de ter vencido o caso, a Toyota ainda enfrente outros processos. Desde novembro de 2009, a montadora chamou para recall mais de 20 milhões de veículos ao redor do mundo.

Rodrigo Mora

|