Ele passou a ser um produto, digamos, à parte da Toyota Hilux. Agora na terceira geração, o SW4 tem nome próprio e visual diferente em relação à picape, mas as diferenças param por aí. Por dentro, o painel, a central multimídia, o console central... tudo é igual ao que a gente encontra na nova geração da Hilux.  

Outra coisa que o SW4 também compartilha com a irmã é o preço. Se a nova geração da Hilux deixou muita gente de boca aberta ao ver a lista de preços, o SW4 vai além e passa dos R$ 200 mil sem fazer cerimônia. Ou melhor, exatos R$ 225.000 na versão SRX 4x4 com motor 2.8 diesel e 7 lugares. E é justamente essa opção que deverá responder por 75% do mix de vendas do utilitário que o AUTOO avaliou por estradas no interior de São Paulo. 

Mas antes vamos falar mais um pouco sobre o mercado. O principal oponente do Toyota SW4 é o Chevrolet Trailblazer, que, em uma configuração equivalente, é tabelado em R$ 192.090. Note que estamos falando de uma diferença que supera R$ 30.000, quantia suficiente para comprar um compacto seminovo. Já indo para a linha da Mitsubishi, a marca japonesa oferece o Pajero HPE diesel, também com 7 lugares, por R$ 192.990. Então, fica a pergunta, o que o SW4 2016 oferece de tão especial para custar tanto?

Esmiuçando o novo SW4

Vamos aos pontos positivos do Toyota. O motor 2.8 diesel pertence à família mais recente da marca e entrega 177 cv a 3.400 rpm e 45,9 kgfm de torque a apenas 1.600 rpm. Os fãs de números vão argumentar, com razão, que o 2.8 do Chevrolet Trailblazer com 200 cv e 51 kgfm de torque, assim como o 3.2 de 180 cv do Mitsubishi Pajero, entregam bem mais, porém vale a pena elogiar a forma impecável com que o propulsor do SW4 trabalha.

Com pouco ruído e praticamente nenhuma vibração transmitida para os passageiros, a Toyota cumpriu algumas premissas declaradas do projeto do novo SW4, tais como mais conforto de rodagem e uma boa vedação acústica. Só que, mais uma vez, será difícil em meio a concorrentes tão fortes desbancar o que a objetividade dos números deixa transparecer.

Além disso, o Chevrolet Trailblazer também conta com câmbio automático de 6 marchas (5 no Mitsubishi Pajero ) e o importante controle de estabilidade, um ponto em que a Toyota destaca como um dos diferenciais do SW4. E, seguindo na comparação com o Trailblazer, o sistema de rebatimento da terceira fileira de bancos do Chevrolet é bem melhor, colocando os assentos embutidos no assoalho.

No SW4 eles seguem dobrados nas laterais do porta-malas quando não estão em uso. Segundo a Toyota, a marca achou melhor não adotar uma solução semelhante à da Chevrolet para não comprometer o ângulo de saída do SW4. Algo um tanto quanto difícil de entender, já que ninguém vai dizer que o Trailblazer deixa a desejar nesse quesito.

Independente do jeito em que os bancos estão instalados, acomodar dois adultos ali só com muito boa vontade, já que o espaço ali é bem restrito. Só crianças ou pessoas de baixa estatura conseguem encarar uma viagem mais longa por ali. O acesso à terceira fileira de bancos, contudo, é bem fácil graças ao sistema de rebatimento revisto. Além disso, todas as fileiras de assentos contam com saídas de ar-condicionado, o que é importante em regiões mais quentes.

Por falar em porta-malas, uma conveniência interessante do SW4 é o mecanismo de abertura e fechamento elétrico do porta-malas, recurso não oferecido nos rivais. Ainda sobre as particularidades do Toyota, merece destaque o farol com iluminação por LED para os fachos alto e baixo, um dos sistemas mais modernos disponíveis para iluminação automotiva.

Segundo a Toyota, o SW4 2016 conta com um novo chassi (20% mais rígido em relação ao antecessor). Sua estrutura também conta com mais aços de alta resistência e quantidade de pontos de solda aumentou em 66 locais, tudo em nome da segurança, durabilidade do conjunto e suavidade ao rodar. Pensando na parte dinâmica, a suspensão traseira foi rebaixada em 20 mm. No geral, o novo SW4 ficou 9 cm mais longo (4,79 m), 1,5 cm mais largo (1,85 m) e perdeu 1,5 cm na altura (1,83 m), bem como 0,5 cm no entre-eixos (2,74 m). 

Acelerando o jipão

Para quem assume o volante, o SW4 pula menos que a Hilux em pisos irregulares, assim como o comportamento dinâmico em geral é bom, mostrando-se tão estável como a picape. Por mais que o modelo tenha recebido um bom pacote de segurança, como o já citado controle de estabilidade, o utilitário também recebeu os assistentes de descida e reboque, além do controle de tração. Mesmo assim, é sempre bom lembrar que o SW4 é um modelo de grande porte e requer mais cuidado na condução. Na versão SRX avaliada, o banco do motorista conta com regulagens elétricas. Chave keyless e partida por botão também completam a lista de itens de série.

As respostas da direção ficaram bem mais precisas, lembrando às da Volkswagen Amarok, só que o câmbio automático no modo sequencial tem o péssimo hábito de ignorar alguns comandos do motorista, só efetuando as trocas quando ele julga qual é o melhor momento. Sendo assim, você acaba nem animando em utilizar as novas borboletas para troca de marcha no volante. De qualquer forma, deixando a transmissão trabalhando em Drive, o SW4 é silencioso e responde bem as solicitações do acelerador. Somando isso ao bom consumo e a maior autonomia proporcionada pelo diesel, dificilmente você vai querer optar pelo SW4 com motor V6 a gasolina. Logo, não é por acaso que a versão topo de linha tende a ser a mais procurada como já mencionamos no começo do texto. A opção flex chegará no segundo semestre, acrescentou a Toyota durante o lançamento.

 

 

Toyota SW4 SRX 4x4 diesel 7 lugares 2016

  • Resumo

    Preço

    De R$ 205 mil a R$ 225 mil

    Categoria

    SUV grande

    Rivais

    Chevrolet TrailBlazer e Mitsubishi Pajero HPE

    Vendas em 2015

    8.672 unidades

  • Mecânica

    Motor

    2.8 turbodiesel

    Potência

    177 cv a 3.400 rpm

    Torque

    45,9 kgfm a 1.600 rpm

    Transmissão

    Automática de 6 velocidades

  • Dimensões

    Medidas

    4,279 m de comprimento, 1,86 m de largura, 1,84 m de altura e 2,75 m de entreeixos

    Peso

    2.130 kg

    Porta-malas

    não disponível

 

 

Por dentro uma das novidades do SW4 SRX até mesmo em relação à Hilux é o interior com revestimendo de couro na tonalidade marrom. Além disso, há alguns detalhes no volante e no console central que seguem o padrão madeira, segundo a Toyota, para formar um melhor contraste. Uma coisa que nos chamou a atenção durante a avaliação é que, apesar de contar com um porta-copo na lateral da porta traseira, você precisa fazer uma certa ginástica para colocar ou retirar a bebida que está acomodada ali pois a lateral do banco acaba cobrindo o local. Algo que poderia ser readequado.

O prazo de garantia do SW4 segue com 3 anos ou 100 mil quilômetros, como é comum a linha, e ele ganhou mais duas opções de cores: o Branco Pérola e o Marrom Metálico. Além disso, a Toyota vai oferecer 32 acessórios para o SW4, como assento de segurança para crianças com fixação pelo sistema Isofix, suporte para tablet, dentre outros. 

 
 
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
Toyota SW4 2016
Toyota SW4 2016
 
 

Com uma ótima reputação no mercado, aliada ao “fator novidade”, não é difícil crer que o novo SW4 deverá seguir firme na liderança do segmento que ocupa. Porém, considerando o novo patamar de preço onde ele quer atuar, talvez vários clientes acostumados com o Toyota possam olhar com mais carinho para o rival na concessionária ao lado. Ou, quem sabe, até mesmo resolver migrar de vez para uma marca de luxo como a Land Rover, que oferece o interessante Discovery Sport com 7 lugares e motor a diesel por um preço não muito distante. No raciocínio dos executivos da marca, contudo, o valor do SW4 2016 é justificável pois ele ficou “apenas 4,8% mais caro mesmo com todas as melhorias recebidas”. Vamos ver, daqui em diante, se os consumidores também concordam com esse ponto de vista.

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |