Bugatti Veyron, Aston Martin Rapide, Ferrari 599 GTO... A 26º edição do Salão do Automóvel de São Paulo apresentou ao público brasileiro uma frota de modelos tão raros quanto caros. Um prato cheio para os apaixonados por carros, sem dúvida. Além dos superesportivos, muitos veículos nacionais e conceitos já mostrados no exterior deixaram sua marca no evento e passam a ditar as tendências que estão por vir.

O Salão também bateu recorde de público e de automóveis expostos. Segundo contagem extra-oficial da Alcântara Machado, organizadora do evento, ao todo 750.000 visitantes puderam conferir 420 carros de 42 fabricantes distintas. Não só as montadoras tradicionais, como VW, Fiat e GM, que ocupam os maiores espaços na feira, marcas conceituadas - como a Audi, ausente na mostra passada, retornou ao evento expondo a nata de sua linha, com destaque para os lançamentos do A1 e o do R8 Spyder V10 -, mostraram que o Brasil virou mercado importante para elas.

A exemplo do que vem acontecendo em outras partes do mundo, o Salão em SP assistiu a chegada massiva de marcas chinesas e a consolidação definitiva das empresas sul-coreanas. As japonesas Honda e Toyota, de quem se esperavam muito, acabaram por mostrar apenas veículos de seus catálogos nacionais, alguns conceitos e modelos oferecidos apenas no exterior. Mitsubishi e Nissan, por outro lado, mostraram carros importantes, como o crossover ASX e o compacto March, respectivamente.

Algumas marcas também aproveitaram o gancho do Salão e anunciaram importantes ações para o nosso mercado. A Suzuki, por exemplo, confirmou no evento que começa a fabricar carros no Brasil de forma oficial a partir de 2012. A Toyota também mostrou na feira a primeira maquete de sua futura fábrica que está sendo erguida em Sorocaba (SP), com conclusão prevista para daqui dois anos. Já a chinesa Chery confirmou sua fábrica em Jacareí e o lançamento de uma unidade desenvolvimento de veículos no país. Houve até mesmo o nascimento de uma nova marca de carros. No estande da importadora Platinuss, estreou a Rossin-Bertin com o Vorax, superesportivo desenvolvido por brasileiros.

Principais lançamentos

Vários segmentos foram agitados no Salão e devem, em breve, mudar ligeiramente a cara de alguns nichos. Na área dos sedãs, a principal novidade foi o Volkswagen Jetta. Importado do México, o carro chega ao mercado brasileiro em março de 2011 com atributos para tentar desbancar a dupla Corolla-Civic. Correndo pelos flancos, vêm os franceses Peugeot 408 e o Renault Fluence, que substituem o 307 Sedan e o Mégane, pela ordem. No degrau acima no mesmo ramo, os destaques foram os lançamentos dos Kia Optima e Cadenza, Hyundai Sonata e o novo VW Passat.

Utilitários esportivos compactos também foram uma das tônicas do evento. Bem aceitos do mercado e atualmente com mais de 50 representantes, o nicho assistiu a chegada de mais carros no Salão. Os principais vêm da Ásia: Mitsubishi ASX, Hyundai ix35 e a terceira geração do Kia Sportage. Houve também o lançamento de modelos mais excêntricos, como o MINI Cooper Countryman, SsangYong Korando, Range Rover Evoque e o Peugeot 3008.

Populares em segundo plano

Mas quem foi ao Salão para ver carros populares e futuros modelos nacionais, não encontrou tantas novidades. A Fiat, mostrou no evento o Uno Sporting, versão com roupa esportiva de seu principal lançamento no ano, e, finalmente, o Bravo, que começa a ser vendido por aqui a partir do próximo ano. Já a Nissan mostrou o March, que chega com força em 2011 importado do México para brigar com diversos compactos nacionais. Porém, ficou faltando a apresentação da próxima geração do Palio, alguma prévia do Toyota Etios, que será feito no país, e o do projeto Onix da General Motors. Quem sabe no próximo...

Coreanos

Ocupando enormes estandes, Kia Motors e Hyundai mostraram uma grande variedade de carros. A primeira, com mais de 30 carros em exposição, aproveitou o embalo de 158% de crescimento nas vendas em relação ao ano anterior e lançou toda uma nova gama: Cadenza, Sportage, Koup, Optima e Cerato hatch. A Kia ainda confirmou a chegada do Cerato sedã com motor flex para o primeiro semestre de 2011. Já a concorrente compatriota, dirigida pelo Grupo Caoa, teve como destaque os lançamentos do ix35, novos Sonata e Genesis e o sedã de alto luxo Equus.

Chineses

Mais presentes do que nunca, marcas da China, hoje o maior mercado automobilístico do mundo, mostraram que estão aprendendo a fazer carros melhores. No Salão deste ano participaram 10 fabricantes: Chery, JAC, Lifan, Haima, Brilliance, Chana, Effa, MG, Hafei e Jinbei. Algumas protagonizaram cenas curiosas. A Lifan, por exemplo, expôs o hatch 320, praticamente um clone do MINI Cooper, justamente em frente ao espaço da tradicional marca inglesa. Houve ainda o atraso da Haima e da Chana, cujos veículos chegaram ao Pavilhão de Exposições do Anhembi na véspera da abertura da feira para o público.

Supercarros

Graças à economia agitada e o aumento de potenciais consumidores capazes de comprar automóveis de valores inestimáveis, o Salão deste ano também ficou marcado com os inúmeros carros de alta performance expostos. A Platinuss apostou nos exóticos e lançou no Brasil com exclusividade o Koenigsseg CCXR e o Pagani Zonda R, que custam cerca de R$ 6 milhões e R$ 10 milhões. A Lamborghini também esteve presente com seus superesportivos, inclusive com o novo Gallarado Superleggera.

A Porsche trouxe o que tem de mais novo: Panamera nas versões com motor V6 e o 911 GT2, uma máquina com 620 cv. É o carro mais potente da marca já produzido em série. Já a Mercedes-Benz mostrou o SLS AMG GT3, além de quase toda sua linha esportiva AMG. A BMW, por outro lado, foi mais contida e mostrou apenas veículos de luxo. O importador Britsh Cars promoveu também a primeira visita de um Bugatti Veyron no Brasil, que está à venda por mais de R$ 7 milhões. A mesma empresa ainda trouxe o Bentley Continental GT Supersports.

Outra estreante no evento foi a inglesa Aston Martin, que expôs toda sua linha. Já a Ferrari, promoveu o lançamento da 599 GTO, além de mostrar outras novidades, como a 458 Italia e a California com sistema Stop/Start. No mesmo espaço ainda estavam à mostra carros da Maserati, com o sedã de Quattroporte e conversível GranCabrio. Destaque ainda ainda para os modernos muscle cars norte-americanos, que chegam em massa: Chevrolet Camaro, Dodge Challenger e Charger e Ford Shelby Mustang GT 500 estiveram presentes, completando a ala dos supercarros.

Ecológicos

Concorrentes dos carros flex brasileiro, veículos híbridos e elétricos ainda levarão um certo tempo para se tornarem expressivos por aqui. Mesmo assim, o Salão de SP 2010 também serviu de plataforma de exibição de novas tendências. E algumas chegam para ficar. É o caso do Ford Fusion Hydrid e Porsche Cayenne Hybrid, lançados na mostra e que se juntam ao Mercedes S400 Hybrid, até então o único carro híbrido à venda no país. A Honda, apesar da escassez de lançamentos, mostrou o Insight e CR-Z, modelos que mesclam um motor a gasolina 1.3 com outro elétrico para poupar combustí

Thiago Vinholes

|