Se ele nunca teve fôlego para encarar os sedãs japoneses Civic e Corolla, também nunca foi ameaçado em seu 3º lugar. O Vectra, renascido em 2005, voltou a ocupar um lugar de destaque no segmento, ele que já foi o veículo mais desejado do país na década de 1990. Mas a geração atual não tem parentesco com esse Vectra – é um upgrade que a Chevrolet brasileira fez em cima do Astra europeu, isso muita gente sabe.

Talvez essa carência de atributos modernos tenha impedido que o nosso Vectra fosse mais longe. Comparado aos sedãs da Toyota e da Honda, o Chevrolet tem um motor mais fraco e gastão, seu acabamento deixa a desejar e o espaço não é tão bem aproveitado.

Era possível corrigir essas deficiências? Não todas, mas uma boa parte, sim. Foi o que fez a Chevrolet ao lançar ontem o Vectra Next Edition. Além da mudança visual – o carro ganhou uma frente com o novo DNA da marca, com a grade dividida no meio –, o tão criticado motor Flexpower foi otimizado e melhorou a potência, saltando de 128 cv para 140 cv, e a economia, bem, a economia foi relativa.

Agora o Vectra manual faz 10,8 km com um litro de gasolina na cidade e 16,1 km/l na estrada. Com etanol, esse rendimento cai para 7,6 km/l na cidade e 11,2 km/l na estrada. Já o Vectra com câmbio automático consome um litro de gasolina para andar 9,7 km em trechos urbanos e 14 km na estrada. Com álcool, são 6,9 km/l na cidade e 9,9 km/l na estrada.

O que a GM não deixou claro é que o consumo, aparentemente, aumentou com uso do câmbio automático. A versão anterior do motor 2.0 Flexpower conseguia percorrer 10,1 km com cada litro de gasolina na cidade e 14,9 km na estrada, ao passo que com álcool, esse rendimento caía para 7,1 km em trechos urbanos 10,3 km em rodoviários. Isso dá entre 0,2 km/l a 0,9 km/l melhor que o renovado motor.

Claro, a marca não entra muito nesses detalhes, afinal o modelo está mais veloz e menos poluente, mas os fãs da transmissão automática pagarão pelo desempenho a mais.

Para completar, alguns equipamentos ausentes foram incorporados, como os repetidores das setas nos retrovisores e o rádio com recursos para equipamentos mais atuais, como iPod e Bluetooth. Quanto ao acabamento, novos bancos, mais largos e com materiais melhores foram introduzidos nas três versões, Elite, Elegance e Expression.

Reposicionamento

Quer mais? A Chevrolet decidiu não brigar diretamente com os campeões de vendas japoneses e resolveu reposicionar o Vectra Elite de maneira a colocá-lo mais próximo das versões intermediárias de Civic e Corolla. Com isso, o sedã ficou cerca de R$ 2 150 mais barato.

A mudança de estratégia também antecipa a chegada de novos modelos da marca, já que ela tem ciência que o Vectra não tem condições de ir muito além disso. Portanto, ainda este ano o sedã americano Malibu deverá desembarcar para ocupara o espaço que foi do Vectra Elite 2.4, ou seja, acima de R$ 80 000. No ano que vem, aí sim, teremos a versão local do Cruse, um sedã médio bem mais moderno que o Vectra e capaz de brigar de igual para igual com os sedãs da Toyota e da Honda.

Veja como ficaram os preços do Vectra Next Edition:

Expression manual – de R$ 54 348 para R$ 54 098
Elegance manual – de R$ 60 868 para R$ 60 718
Elegance automático – de R$ 64 692 para R$ 63 704
Elite automático – de R$ 72 814 para R$ 70 664

 

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/