O presidente da GM no Brasil, Jaime Ardila, confessou nesta semana que o mês de novembro foi pior que o imaginado por eles. Mas Ardila justificou o otimismo depois de tantos recordes seguidos: “estávamos mal acostumados, no entanto, novembro foi muito bom e já batemos o recorde de vendas anuais”, disse.

O executivo da montadora tem razão. O ano de 2009 já é o melhor da história em vendas de automóveis e comerciais leves. Já são cerca de 2,73 milhões de unidades até o mês passado (contra 2,67 milhões em 2008), o que fez a indústria acreditar que superaremos a barreira das 3 milhões de unidades no final do ano. Ardila vai mais longe: “fecharemos 2009 com 3,1 milhões”.

A queda em relação a outubro foi de 15,3%, mas foram vendidos 43,3% veículos a mais que em novembro de 2008, mês considerado trágico pela indústria, quando o país parou devido à crise financeira mundial.

Honda cai

As três primeiras posições do ranking de marcas permanecem iguais. Fiat, Volks e Chevrolet tiveram queda semelhante, de 10 a 14%. As três seguintes, no entanto, sentiram mais a ressaca de outubro. Ford, Honda e Renault despencaram 24%, 27% e 30%. A montadora japonesa, aliás, voltou a figurar como a 6ª colocada embora deva terminar o ano como a marca mais vendida entre as new comers.

As coreanas continuam fortes, mesmo com a isenção do IPI para os carros flex, na qual elas não são beneficiadas. A Kia, aliás, anunciou que manterá os preços de seus modelos mesmo com a alíquota mais alta em dezembro. A Hyundai confirmou o 8º lugar no ranking de novembro, à frente das francesas Peugeot e Citroën.

BMW mantém agressividade

Entre as marcas importadas, impressiona o ritmo de vendas da BMW. A marca alemã voltou a superar seu recorde de outubro emplacando 745 unidades ou 16% a mais. O responsável por isso foi o sedã Série 3, com mais da metade das vendas.

Veja o ranking completo de marcas no link abaixo:

Marcas mais vendidas em 2009
Marcas mais vendidas em novembro

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |